O Município de Oliveira do Bairro vai avançar com um programa de apoio aos idosos em situação de maior vulnerabilidade, em parceria com várias instituições.

De acordo com Lília Ana Águas, Vereadora responsável pelos pelouros da Idade Maior e da Ação Social, o projeto ProximIDADES tem como objetivo geral “dar apoio social, emocional e de estimulação às pessoas idosas mais vulneráveis que estejam em casa e que tenham sido sinalizadas pelos serviços sociais das várias entidades envolvidas, permitindo-lhes que possam continuar nas suas habitações em segurança e com um acompanhamento de proximidade”.  

Para a implementação deste programa, a autarquia de Oliveira do Bairro assinou, no passado dia 13 de novembro, um protocolo com Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do Concelho com Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário, e com a Administração Regional de Saúde do Centro.

As IPSS parceiras do projeto são a ABC Bustos, AMPER, Centro Ambiente para Todos, Centro Social de Oiã, Centro Social e Paroquial S. Pedro da Palhaça, Santa Casa da Misericórdia do Concelho de Oliveira do Bairro e SOLSIL.

Na sua fase inicial, o programa vai contar com recursos, humanos e materiais, de cada uma das entidades parceiras, estando previsto ainda o envolvimento de voluntários, através do Banco Local de Voluntariado do Município de Oliveira do Bairro.

O projeto ProximIDADES nasceu, segundo Lília Ana Águas, “para dar resposta a situações de exclusão e isolamento social da população mais idosa, agravadas pelas medidas de combate à COVID-19”.

Relembre-se que, desde 16 de março de 2020, ficaram suspensas as atividades desenvolvidas pelos Centros de Dia, ficando as pessoas idosas sem poder contar com esse apoio até então prestado. “Ainda que as instituições tenham encontrado formas de continuar a providenciar auxílio, por exemplo através do serviço de apoio domiciliário, foi registada uma quebra no suporte continuado e constante, tão necessário e imprescindível para satisfazer as necessidades básicas dos utentes”, refere a autarca.

Ainda segundo Lília Ana Águas, “o isolamento social imposto fez com que as pessoas deixassem de participar nas atividades sociais e, portanto, tenham uma diminuição acentuada no contacto com o meio social em que estão inseridas, o que se tem repercutido negativamente nas questões de saúde mental e da própria saúde física”.

“Para além das pessoas integradas em Centro de Dia, também aquelas que beneficiam do Serviço de Apoio Domiciliário apresentam necessidades que exigem algum apoio no ajustamento e adaptação a todas estas alterações, que potenciam o desencadear de situações de maior vulnerabilidade”, concluiu a Vereadora do Município de Oliveira do Bairro.

 

 

Fonte: Município de Oliveira do Bairro