O Programa de Apoio à Natalidade e Desenvolvimento Económico Local (PANDEL) já atingiu 156 mil euros de apoios às famílias com nasciturnos registados como naturais da Mealhada. Cada família tem direito a um subsídio de 1500 euros, mediante a apresentação de documentos de despesa efetuados no comércio local.

O PANDEL entrou em vigor em janeiro de 2018 (aplicando-se a crianças nascidas a partir de outubro de 2017) e registou a maior adesão em 2019, com 72 famílias a apresentarem candidatura. Destas, apenas sete foram indeferidas, por rendimentos superiores aos permitidos no regulamento ou por a criança não ter sido registada natural da Mealhada, tendo beneficiado deste apoio 65 crianças. A estas somam-se as que entraram em 2018, 45, tendo sido indeferidas três e arquivadas duas, beneficiando deste apoio, no total,105 crianças.

Assim, desde abril de 2018, foram já atribuídos 113.310,58 euros no âmbito do PANDEL, estando para pagamento 42.689,42 euros relativas a candidaturas no ativo.

O Programa de Apoio à Natalidade e ao Desenvolvimento Económico Local surgiu como uma resposta conjugada a dois problemas da atualidade: a baixa natalidade e a necessidade de dinamizar a economia local. As famílias com crianças registadas como naturais da Mealhada, que tenham rendimentos enquadrados nos limites previstos no regulamento, podem solicitar este apoio máximo de 1500€. O incentivo é atribuído no mês seguinte ao nascimento da criança, até aos 24 meses, e vai sendo pago mediante a apresentação das despesas de bens ou serviços necessários às crianças, adquiridos no comércio local. Os principais bens ou serviços apresentados são vestuário para criança, produtos de farmácia e até despesas com equipamentos sociais, nomeadamente creche.

Este ano, já foram rececionadas oito candidaturas.

Na síntese apresentada ao executivo, na última reunião camarária, Hugo Silva, da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada”, apelou a que seja feito um relatório sobre a parte do programa do “desenvolvimento económico”. “Gostaríamos de saber, por exemplo, quais são as despesas na farmácia, se medicação, vacinas, puericultura, …”, descreveu ainda.