Luís Martelo, de vinte e nove anos, natural de Barcouço, integra, recentemente, como trompetista, a Phoenix Brass Band, a Wednesday Orchestra (banda sinfónica com cordas) e a Taunton Concert Band (banda sinfónica só de sopros), em Inglaterra. Ao «Bairrada Informação», o jovem declarou que “após uma pesquisa, fez os testes em sete bandas e orquestras”, tendo, “para seu espanto”, passado em todas.

O nascimento da filha, há poucos meses, motivou Luís Martelo a voltar a estudar música com o instrumento com o qual começou a tocar, em criança, na Filarmónica Lyra Barcoucense. “É algo que realmente me faz feliz, me deixa entusiasmado e me dá uma luta diária”, declarou, relembrando os tempos em que integrou a Banda do Exército em Portugal.

O regresso ao trompete, recentemente, levou-o a querer mais, procurando, em Inglaterra, local onde vive com a mulher e os três filhos, por bandas e orquestras que pudesse integrar. Das sete a que concorreu, passou em todas. “Foi como se eu tivesse recuperado uma vida que pensava que já nunca mais ia voltar”, confessou.

Das sete, Luís Martelo escolheu três, “aquelas que me permitam ter tempo para estudar e para a família”. “Já fiz o primeiro concerto com a Phoenix Brass Band e temos o próximo já no dia 15 de setembro. Com as Sinfónicas começamos agora a nova época e serão anunciadas as primeiras datas incluindo a habitual tour internacional de cada uma delas”, explicou-nos o jovem.

Na Phoenix Brass Band está colocado como Cornet Solista, na Wednesday Orchestra como Trompete Solista e na Taunton Concert Band como primeiro trompete. “Estou muito melhor do que estava, superei o nível do passado, o corpo está mais maduro e a cabeça tambem. Estou a tocar num nível mais elevado, até porque as bandas daqui o exigem. As peças tocadas são sempre difíceis e exigentes, o que é muito bom para a progressão!”, disse-nos.

Luís Martelo frequentou o Conservatório de Música de Coimbra e o curso de Trompete na Universidade de Évora, tendo tocado em várias bandas e orquestras um pouco por todo o país. Fez o curso/especialidade de músico profissional ao serviço do Exército, na Banda Sinfónica do Exército, sediada em Queluz, sendo depois colocado na Banda Militar de Évora, onde foi orientado por grandes nomes da música nacional, tais como, Fernando Vidal, Pedro Monteiro, João Coca, Sérgio Carolino, Luís Granjo, Major Ferreira da Costa, Christopher Consitt Bochmann, Daniel Tapadinhas, entre outros.

Antes de regressar, novamente ao trompete, o jovem ficou conhecido, em Portugal e em Inglaterra, por causa do seu percurso de dez anos no Rap, como Luká EmmE. Este ano, a convite do «Bairrada Informação», passou pela Festame – Feira do Município da Mealhada -, onde privou com fãs e deu um “show” cantando alguns dos seus melhores êxitos.

Mónica Sofia Lopes