A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Mealhada apresentou e inaugurou, na tarde de 5 de maio, uma viatura de combate a incêndios, adquirida recentemente. Uma promessa feita pelo presidente da direção da associação, aquando do incêndio, de 15 de outubro passado, que ocorreu em Ventosa do Bairro.

“Esta foi a promessa que fiz ao sub-chefe José Melo quando estávamos no incêndio de Ventosa. Na altura percebemos que tínhamos mais uma equipa disponível, mas faltava-nos a viatura”, declarou Nuno Canilho, presidente da direção dos Bombeiros da Mealhada.

Para o dirigente mais do que se esperar pelo aniversário da associação (em julho), “é importante a viatura estar já disponível ao serviço da população”, numa altura em que os incêndios começaram, referindo-se, concretamente, ao que aconteceu na madrugada da passada sexta-feira, na freguesia do Luso.

A viatura, agora inaugurada, vem juntar-se a outros dois Veículos Florestais de Combate a Incêndios e a um outro veículo – tanque. “Era uma necessidade que já tínhamos”, acrescentou Nuno João, comandante da corporação.

Com um custo de cerca de vinte e cinco mil euros, o veículo foi importado de França e toda a carroçaria, mecânica e interiores foi restaurada. “Esta é a única forma dos bombeiros portugueses terem viaturas, trazerem importadas e já usadas de outros países, nomeadamente de França, onde a política é ser feita uma renovação de frota ao fim de alguns anos, mesmo ainda estando em bom estado, como é o caso desta”, explicou Nuno Canilho.

Totalmente custeada pela Associação, agora o dirigente garante que tentarão obter ajuda e que até já foi aprovada, em reunião, uma nova estratégia que implicará o “apadrinhamento de viaturas”. “No fundo, tentaremos arranjar patrocinadores, que nos consigam disponibilizar valores consideráveis, para veículos, que depois terão o nome que quiserem, bem como o conteúdo publicitário”, acrescentou.

Nuno Canilho referiu ainda que já está identificada a época florestal e que, por isso, faz sentido “que tudo o que sejam máquinas estejam prontas, neste momento”.

A bênção da viatura esteve a cargo do Padre Rodolfo Leite, que disse: “Se benzemos as viaturas é porque elas estão ao serviço das pessoas e isso implica estimá-las!”.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galeria de fotografias, de JOSÉ MOURA, em http://www.facebook.com/bairradainformacao/