Cerca de três dezenas de pessoas participaram na sessão pública de esclarecimento sobre a reabilitação e valorização ecológica do rio Levira que decorreu, esta quinta-feira, 15 de julho, em Amoreira da Gândara, União das Freguesias de Amoreira da Gândara, Paredes do Bairro e Ancas.

A iniciativa foi promovida pelo Município de Anadia, contando com a presença da presidente da Câmara Municipal, Maria Teresa Cardoso, do vereador com o Pelouro do Ambiente, Lino Pintado, o vice-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro, Jorge Pato, a presidente da União das Freguesias de Amoreira da Gândara, Paredes do Bairro e Ancas, Ema Paula Pato, e de técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da empresa que projetou a intervenção.

“A empreitada, que já se encontra a decorrer e abrange uma extensão de cerca de vinte e quatro quilómetros, é promovida pelos Municípios de Anadia e Oliveira do Bairro, representando um investimento de cerca de trezentos mil euros, financiado pelo Fundo Ambiental”, avança a Autarquia de Anadia em comunicado.

A presidente da Câmara Municipal de Anadia, Maria Teresa Cardoso, alertou para “a importância da intervenção e de a mesma ser feita de uma forma concertada”. Adiantou que o projeto “foi aprovado” pelo Ministério do Ambiente, tendo ainda salientado que “as obras decorrem de acordo com o projeto e a fiscalização, por parte dos técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente e dos Municípios de Anadia e de Oliveira do Bairro”.

A autarca sublinhou que, apesar da “responsabilidade da limpeza das margens”, de acordo com a lei, ser da “competência dos proprietários confinantes”, o município decidiu avançar para esta intervenção, “à semelhança do que já aconteceu com outras ações nos rios da Serra e do Cértima”.

António Pires, responsável pelo projeto de reabilitação e valorização, fez uma pequena apresentação da intervenção, dando a conhecer algumas das situações problemáticas encontradas no rio, nomeadamente material lenhoso disperso em toda a sua extensão, muitos resíduos no leito, partes de margens muito artificializadas e com ocupações até ao seu limite. Ou seja, “o rio apresentava uma obstrução muito grande, pelo facto de há muitos anos não sofrer qualquer tipo de intervenção de limpeza”. Explicou ainda que os objetivos passam por proteger as margens contra processos de erosão acentuados, bem como recuperar as mesmas nas suas diversas vertentes, pretendendo-se a naturalização do rio.

O responsável da APA, João Alberty, reiterou o facto de a limpeza do leito e margens do rio “ser da responsabilidade dos proprietários confinantes”, referindo ainda as principais problemáticas do rio Levira, “as silvas e as canas encontradas em grande escala e as árvores caídas no leito que não deixavam fluir a água”.

No próximo dia 20 de julho, pelas 18h30, está agendada mais uma sessão pública de esclarecimento que terá lugar, desta vez, na sede da Junta de Freguesia de Vilarinho do Bairro. O Município de Anadia convida todos os interessados, nomeadamente os proprietários confinantes a participar na sessão.