Os sócios da Associação de Carnaval da Bairrada aprovaram, por unanimidade, na noite da passada quinta-feira, dia 12 de dezembro, o orçamento, para o ano de 2020, que fará face aos Carnaval Luso Brasileiro da Bairrada, em fevereiro, mas também ao Festival de Samba, que acontece em setembro. No total, a organização do Carnaval prevê uma despesa, durante o próximo ano, de cerca de cento e onze mil euros.

Com uma nova direção, a Associação de Carnaval da Bairrada prepara-se, a passos largos, para a realização do Carnaval da Mealhada, cuja atração principal são os corsos diurnos de domingo e terça-feira e o noturno de segunda-feira, nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro. O preço de cada entrada, num dos desfiles luso-brasileiro que têm como cabeças de cartaz Luciana Abreu e Leonardo Vieira, é de seis euros.

Contas feitas, a ACB prevê uma despesa de cerca de cento e onze mil euros, valor calculado de acordo “com orçamentos solicitados, e já acordados, a prestadores de serviços”, mas também numa estimativa “baseada em despesas da gestão anterior”. Desta forma, os valores maiores vão para os carros alegóricos, reis do Carnaval, empresa de segurança, Guarda Nacional Republicana, som, licenças, grupos apeados aos desfiles, comunicação, animação da Tenda noturna e Festival de Samba.

Já na receita, a ACB tem protocolado o valor de vinte e quatro mil euros, referente ao subsídio atribuído pela Câmara da Mealhada, e ainda de cinco mil euros, também disponibilizado pela Autarquia, que pretende, assim, contribuir para colmatar o prejuízo sentido no cancelamento de um dos desfiles em 2019. Para o Carnaval de 2020, e no caso de serem vendidos dez mil bilhetes, nos três dias de corso, a ACB poderá contar com uma receita de sessenta mil euros. “Haja bom tempo e, com os reis que temos, as coisas podem correr muito bem!”, disse Janine de Oliveira, presidente da direção da ACB.

Feirantes, patrocínios e Festival de Samba, que acontece a 18 e 19 de setembro, são rubricas também patentes como geradoras de alguma receita, prevendo-se uma entrada de dezasseis mil e quinhentos euros.

 

Mónica Sofia Lopes