“Não deixem o meu filho dormir tanto durante a sesta porque senão à noite adormece tarde ou não dorme a noite toda!”… este é um dos comentários, feitos pelos pais, que mais ouvimos ao longo do ano letivo e por isso achamos pertinente realizar uma reflexão/pesquisa sobre este tema.

Está comprovado que o sono ajuda a reter todas as experiências vividas e/ou adquiridas ao longo da vida, uma vez que “Em termos fisiológicos, o sono permite que o cérebro trabalhe no sentido de consolidar as mudanças maturacionais do sistema nervosos central”. Neste sentido, os momentos de sono proporcionam o descanso necessário para o crescimento e desenvolvimento das crianças.

Quantas vezes ao longo da vida, nós adultos, temos necessidade de quebrar o stress/experiências vividas ao longo do dia? Também as crianças, e essencialmente elas, necessitam de dormir para recarregarem as suas energias físicas e emocionais para o resto do dia, ajudando-as a ficarem com a sua boa disposição de volta. A sesta torna-se um momento preponderante ao longo do dia da criança, uma vez que é um momento calmo e relaxante das exigências sociais intensas nos diferentes contextos, sejam eles infantis, familiares, etc.

Desta forma, torna-se imperativo que haja um momento de sesta para todas as crianças, dos três meses aos seis anos, uma vez que sono contribui de forma importante para o seu crescimento corporal, existindo uma renovação celular, produção de hormonas e anticorpos.

 

“Dormir torna-se uma atividade natural e vital para todas as crianças”

É de referir que o sono varia consideravelmente de criança para criança, bem como de mês para mês e de idade para idade.

À medida que as crianças crescem, a sua necessidade de dormir decresce paulatinamente, oscilando por diversas razões: doenças, padrões de sono noturno, acontecimentos especiais e alterações de rotina.

Segue abaixo uma tabela que orienta os cuidadores relativamente às horas de sono:

Segundo a Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), “estima-se que as crianças de 1 a 2 anos necessitam de 10h a 11h de sono noturno e 2h a 4h de sesta e as crianças de 3 a 5 anos necessitam de 10h a 11h noturnas e 1h a 3h de sesta.”.

O momento do sono deverá ser realizado num local com luz mais fraca e com barulhos e distrações minimizados, havendo ausência de algo que possa perturbar o sono.

Torna-se pertinente preparar a criança para o momento do sono, fazendo com que os momentos precedentes ao mesmo sejam relaxantes, sendo que cada criança tem formas próprias para se acalmar até adormecer.

A SPP indica, também, regras essenciais que as famílias/cuidadores deverão cumprir aquando do momento do sono:

1) Promover um horário regular de deitar a criança todos os dias mantendo essa regularidade aos fins-de-semana, com uma diferença máxima de 30 minutos;

2) Ter uma rotina de deitar estabelecida com um ritual que precede a ida para a cama sempre idêntico (vestir o pijama-lavar os dentes-contar história, a título de exemplo);

3) Deitar a criança ainda acordada permitindo o uso de objeto de transição como uma fralda, chucha ou boneco;

4) Evitar adormecer em local que não a própria cama;

5) Evitar atividade estimulante antes de adormecer como exercício físico;

6) Não permitir a utilização de ecrãs (televisão, telemóvel, tablet ou consola de jogos) antes de adormecer.

Igualmente, nem todas as crianças têm os mesmo estilos de acordar, pois podem acordar bem-dispostas e alegres ou acordarem rabugentas, umas podem precisar mais de contacto físico imediato, outras precisarão de ficar deitadas na cama a observar o que se passa à sua volta. É muito importante que cada adulto conheça a sua criança e as suas necessidades.

Analisando a sociedade de hoje em dia, bem como os ritmos acelerados das famílias, é possível observar que cada vez mais, crianças e adultos, têm dificuldade em dormir. Durante o sono, além de descansar, o nosso corpo trabalha para manter o equilíbrio do sistema imunológico, endócrino, neurológico e diversas outras funções.

Existem diversos benefícios de uma noite de sono para:

– o combate à obesidade (dormir bem reduz o risco de obesidade);

– o combate à diabetes (menor resistência do corpo à insulina);

– aumenta a saciedade;

– diminui a hiperatividade;

– aumenta a memória;

– diminui a depressão.

“Dormir bem dá saúde e faz crescer”, refere a Associação Portuguesa do Sono (APS) que uma boa noite de sono é determinante para a saúde e desenvolvimento e desempenho escolar de cada criança.

Igualmente, a sesta, segundo a SPP, “parece promover uma alteração qualitativa na memória que envolve a abstração. A abstração, particularmente importante para os lactentes em desenvolvimento, é essencial no desenvolvimento cognitivo e da linguagem, permitindo grande plasticidade na aprendizagem. Na idade pré-escolar, a sesta tem sido referida como recurso valioso para a consolidação da memória.”

Assim, o défice de sono é extremamente influenciador para a memória, nos processos de concentração e abstração, consequentemente o sucesso escolar.

Importa referir, igualmente, que existem alguns indicadores para quando a sesta deixa de fazer sentido para algumas crianças, tais como (segundo a SPP):

1) Há resistência prolongada na hora de adormecer à noite porque não está cansada;

2) Apresenta despertares noturnos ou acorda muito mais cedo de manhã em comparação com a rotina prévia;

3) Incapacidade em adormecer durante o período inicial de 30 a 40 minutos de sesta;

4) Tem a capacidade de passar todo o dia acordada com preservação da atenção, humor e atividade sem necessidade de ter uma sesta.

Torna-se imperativo que os cuidadores conheçam as suas crianças de forma a identificaram quando a sua criança necessita de dormir, bem como quando a sua criança já não necessita, salvaguardando sempre que o adulto é que deverá analisar/observar as necessidades das crianças.

Sintetizando, o sono que é reparador tem como funções: dar-nos energia para o dia seguinte, permitir-nos crescer de forma saudável, integrar as memórias, melhorar a nossa capacidade de aprender, melhorar a concentração, o humor, e também nos ajuda a ser criativos.

 

“se a necessidade de dormir é biológica, a arte de bem dormir é aprendida”

 

Artigo/reflexão realizado por:

Educadora Mariana (Centro de Assistência Paroquial da Pampilhosa)