A Mealhada tem disponível um “Gabinete de Apoio ao Investidor”. O projeto foi apresentado, na manhã de 28 de fevereiro, no Espaço Inovação da Mealhada, a “casa” que servirá de ponto de encontro para quem procurar este apoio.

Numa parceria com a Inov C, da Universidade de Coimbra, o Gabinete de Apoio ao Investidor vai procurar contribuir para a criação de novas empresas, mas também “promover a inovação e prestar apoio na consolidação de empresas já existentes, proporcionando-lhes o ambiente e as condições apropriadas para o seu funcionamento e desenvolvimento, nomeadamente em serviços especializados, orientação e auxílio na procura de apoios financeiros, espaços, infraestruturas e outros serviços de suporte”.

“É um projeto aberto a todos e inclusivo, que pretende projetar a região enquanto referência nacional”, começou por dizer Daniel Silva, gestor de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra, acrescentando que tenta “perceber o que as empresas realmente precisam” e ao mesmo tempo ganhar “proximidade com as gentes locais”.

O atendimento, no Espaço Inovação da Mealhada, será efetuado por marcação prévia para os correios eletrónicos daniel.silva@uc.pt e/ou espacoinovacao@cm-mealhada.pt.

Na sessão de ontem foi também apresentado o relatório “Diagnóstico Local – Município da Mealhada”, realizado nos últimos dois meses. “A partir de amanhã começamos os diagnósticos de inovação ao tecido empresarial local, que decorrerá até maio”, continuou Daniel Silva, acrescentando que será criada uma “Rede de Mentores da Mealhada e sessões de ‘mentoring’” e ser levado a cabo um ciclo de “workshops” sobre empreendedorismo e inovação. O relatório final será apresentado em julho deste ano.

Nuno Canilho, vereador na Câmara da Mealhada e responsável pelo Espaço Inovação Mealhada, defendeu que “um município com a centralidade da Mealhada precisa de um Gabinete de Apoio ao Investidor”. “Estamos no centro nevrálgico do país, fator relevante para a instalação de empresas. A partir daqui podemos fazer negócio para todo o lado!”, enalteceu.

Na lógica dos novos negócios empreendedores, Nuno Canilho afirma ainda que estes ajudarão “o decisor político a assimilar a informação para depois também tomar decisões políticas”.

Presente na sessão esteve Jorge Figueira, Chefe da Divisão de Inovação e Transferências do Saber da Universidade de Coimbra, que referiu que “quando surge uma ideia há que ter a capacidade de lhe dar apoio”. “É isso que faz o programa Inov C, junta as pessoas que sabem às pessoas que compreendem em prol de uma região”, concluiu.

 

Mónica Sofia Lopes