Os termos Yin e Yang são já muito conhecidos (de nome) no ocidente. São conceitos do Taoismo[1] que expõem a dualidade de tudo que existe. Referem-se à complementaridade das forças opostas que constituem tudo o que faz parte do universo.

Yin e Yang não são conceitos mágicos nem termos de algo místico, são algo tão claro e objectivo como os pólos positivo e negativo de uma pilha, ou como os aniões e catiões, ou como o frio e o calor, ou o alto e o baixo, ou interior e o exterior, ou… podíamos estar aqui indefinidamente a estabelecer relações Yin e Yang, pois em tudo elas existem! E é exactamente isso que é o conceito de dualidade Yin e Yang: uma relação! Não existe algo plenamente Yang ou Yin, existe sim algo que é Yang em relação a outro que é Yin, e vice-versa.

Vejamos, em sentido prático: um copo de água morna é Yang em relação a um copo de água fria, no entanto, o mesmo copo de água morna é Yin em relação a um copo de água a ferver! Simples, não é?

O Yang identifica o que é mais aberto, mais quente, mais externo, mais alto, mais móvel, enquanto que o Yin caracteriza o mais fechado, mais frio, mais interno, mas baixo, mais parado…

Na Medicina Tradicional Chinesa esta dualidade faz parte da base de diagnóstico, simplesmente porque, tal como em tudo o resto no universo, também as doenças e as suas manifestações se encaixam nestes dois grandes quadros: Yin e Yang.

Façamos novamente um exemplo: um doente apático apresenta um estado Yin em relação à normalidade, enquanto que um doente agitado apresenta um estado Yang na mesma relação.

Clinicamente, a relação Yin-Yang serve para enquadrar o estado clínico do paciente, de forma a poder orientar-nos na forma de pensamento da Medicina Tradicional Chinesa. Ora, face a um doente que apresenta um quadro predominantemente Yang, sabemos que temos que usar estratégias que baixem este Yang ou subam o seu estado Yin (esta determinação vai depender de outros parâmetros avaliados no diagnóstico), de forma a retomar o equilíbrio, que é o equivalente a atingir o estado de saúde ideal.

Tomando o exemplo anterior: num paciente muito agitado e ansioso, temos que usar estratégias que o acalmem, enquanto que num paciente apático e deprimido, teremos que trabalhar formas de lhe “fornecer” energia.

Resumindo: Yin e Yang são, nada mais, nada menos, do que uma forma de classificação das características existentes em tudo, inclusive na Medicina!

 

Paula Gradim

Especialista de Medicina Chinesa

 

[1] O Taoismo, é uma tradição filosófica e religiosa originária do Leste Asiático que enfatiza a vida em harmonia com o Tao. O termo chinês “Tao” significa “caminho”, “via” ou “princípio”, e também pode ser encontrado em outras filosofias e religiões chinesas. No taoismo, especificamente, o termo designa a fonte, a dinâmica e a força motriz por trás de tudo que existe. (in: https://pt.wikipedia.org/wiki/Taoismo)