A linguagem escrita, ao contrário da linguagem oral, necessita de uma aprendizagem formal dos grafemas (letras) de forma a ser possível converter o que é produzido oralmente em escrita, ou seja, é necessário frequentar a escola para aprender a ler e a escrever. Além disso, para que esta aprendizagem seja possível, a criança tem de adquirir determinadas competências até à idade em que entra para a escola, como o nome das “coisas”, a produção de frases com diferentes níveis de complexidade, a consciência dos sons, entre outras.

No entanto, quando estas competências não são (bem) adquiridas e/ou existe alguma patologia, a criança pode demonstrar dificuldades na aprendizagem da leitura e da escrita, o que se torna uma grande barreira para ela. Já pensou que a leitura e a escrita estão presentes constantemente no nosso dia a dia? Na escola, no trabalho, no supermercado, no café,…

 

É importante estar atento aos sinais de alerta para detetar e intervir, de forma a ajudar a criança a ultrapassar essas dificuldades.

 

Sabe quais são os sinais de alerta?

  • Dificuldade em distinguir as letras.
  • Dificuldade em fazer a relação do grafema ao fonema (letra – som), o que tem como consequência a troca das letras.
  • Leitura lenta ou muito rápida com omissão ou trocas nas palavras.
  • Dificuldade em compreender o que leu.
  • Leitura em que tenta adivinhar as palavras.
  • Dificuldade em explorar e desenvolver um tema para escrever.
  • Dificuldade em identificar e corrigir os erros de escrita.
  • Dificuldade em organizar o texto pela ordem dos acontecimentos.

O Terapeuta da Fala pode fazer a diferença!

 

Ana Carina Santos

Terapeuta da Fala

CP- C-057632170