“Segue o Teu Sonho”. Foi desta forma que os alunos da Escola Profissional Vasconcellos Lebre, na Mealhada, foram recebidos, através de cartazes coloridos, no arranque do ano letivo de 2018-2019. Um início que fica também marcado pela dificuldade que a escola teve em abrir quatro turmas no primeiro ano e que Nuno Castela Canilho, gerente da EPVL, coloca uma quota-parte no facto de existir “uma diminuição da população escolar”.

Foi no Auditório João Pega, que a EPVL recebeu, no passado dia 13 de setembro, os novos alunos, mas também os do segundo e terceiro anos. No seu discurso, Nuno Canilho, declarou que “a missão da escola é a de dar aos jovens ferramentas para a construção de um projeto pessoal de vida com base na valorização do trabalho como fator de realização e felicidade”.

“Sonhem! E depois, bem acordados, concretizem o vosso sonho!”, apelou Nuno Castela Canilho, garantindo que da parte da escola – professores, colaboradores, pais, colegas e comunidade – “estamos aqui para vos dar amparo, ferramentas, apoio, meios e recursos para vocês serem capazes de concretizar os vossos sonhos”. “Arrependam-se do que fazem de mal, o maior falhanço na vida é o de nos arrependermos do que não fizemos”, terminou.

A sessão contou ainda com o testemunho, descontraído e em ambiente familiar, de um dos dezoito alunos da EPVL que entrou na universidade, há pouco dias, e de um dos professores que fez a sua formação profissional inicial precisamente na Escola Profissional da Mealhada, local onde agora trabalha.

Na passada segunda-feira, o primeiro dia de aulas, o mote foi o da “integração”, com a comunidade escolar a participar num “conjunto de jogos e dinâmicas de construção de espírito de equipa e de motivação”, tendo como pano de fundo a Mata Nacional do Bussaco. “Os alunos foram divididos por equipas, com elementos de vários cursos e de vários anos, e, em conjunto, realizaram tarefas com vista à cooperação e interajuda, no sentido de integrar os alunos mais novos”, lê-se numa nota de imprensa da escola.

No mesmo documento, Nuno Castela Canilho faz o balanço do arranque deste ano letivo. “Não foi fácil, mas conseguimos cumprir o objetivo de abrir as quatro turmas no primeiro ano, tal como nos tínhamos proposto”, esclarece o gerente da escola, referindo que “a escola mealhadense conseguiu abrir os cursos de Técnico de Mecatrónica; de Técnico de Eletrónica, Automação e Computadores; de Técnico de Gestão; de Técnico de Restauração, na variante Cozinha/Pastelaria; e de Técnico de Desenho Gráfico”. “Cinco cursos que funcionarão em quatro turmas”, acrescentou.

“Este ano, de forma transversal a quase todas as escolas profissionais portuguesas, foi mais difícil abrir as turmas”, afirmou, esclarecendo que “a questão da diminuição da população escolar explica alguma coisa, mas não explica tudo. Parece-nos que houve um retrocesso face ao que era uma tendência crescente para a opção da via profissionalizante como primeira escolha dos alunos portugueses para a sua formação secundária”. “Acreditamos que em breve veremos a evidência disto e esperamos compreender o que se passou”, concluiu.

 

Texto editado por Mónica Sofia Lopes com base em comunicado da EPVL