Na última sessão da Assembleia Municipal de Anadia, Fernando Fernandes, da Junta da União das Freguesias de Arcos e Mogofores, tornou público um problema que está a acontecer com os Censos, nomeadamente, «com os limites geográficos das freguesias».

«Pelos mapas do INE (Instituto Nacional de Estatísticas), metade da clínica Ibervita, por exemplo, está na freguesia de Tamengos, já a outra metade está em Arcos. Acima das Caves Montanha, metade das casas estão em Tamengos e a outra metade na Moita. No Pereiro, há muitas casas que estão na freguesia de Arcos», referiu o autarca, acrescentando que «está a ser uma confusão». «Há pessoas que se têm negado a fazer os censos porque têm registo predial numa freguesia e agora aparecem em outra», lamentou.

«Quem toma conta dos limites das freguesias é o Instituto Geográfico Português. Nos últimos Censos houve desarticulação, que se mantém, uma vez que os limites do INE não são idênticos aos da carta administrativa», denunciou José Carvalho, do “Movimento Independente Anadia Primeiro”.

Teresa Cardoso, presidente da Câmara de Anadia, garante que «importa denunciar», até porque «os números podem ser uma fraude, mais não seja pelo facto de as pessoas se recusarem a participar nos Censos». «Já o comunicamos, mas terá que ser a outro nível e com a subscrição de todos os presidentes», referiu a autarca.