Fonte: https://www.portugal.gov.pt/pt/gc22/comunicacao/noticia?i=governo-avanca-com-plano-de-desconfinamento-mas-sugere-cautela-aos-portugueses

Fotografia: João Bica

 

 

O Primeiro-Ministro António Costa afirmou que Portugal vai avançar com a etapa do calendário de desconfinamento que estava prevista para 5 de abril, mas sugeriu cautela aos portugueses e reiterou o pedido de esforço para manter a situação controlada e garantir que não haja retrocessos.

Na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, António Costa salientou que a análise combinada das duas variáveis sugeridas pelos especialistas para decidir o estado de desconfinamento «permite avançar nas medidas previstas para segunda-feira, 5 de abril».

«No número de novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias, diminuímos de 118 para 62,4 desde 9 de março. Ao contrário da incidência, que se dirige numa boa direção, o ritmo de transmissão dirige-se para uma zona cada vez mais próxima do amarelo [da matriz de risco apresentada na apresentação do plano de desconfinamento]», referiu, acrescentando que «o resultado da aplicação combinada dos dois critérios mantém-se ainda claramente no quadrante verde».

«Neste momento temos um total de 19 concelhos acima do limiar de risco [120 casos por 100 mil habitantes a 14 dias], seis dos quais acima dos 240 novos casos», referiu, dizendo que a continuidade destes concelhos numa situação de risco fará com que sejam, bem como os concelhos envolventes, sujeitos a medidas particulares.

 

Novas medidas de desconfinamento

A segunda fase de desconfinamento, a partir de segunda-feira, 5 de abril, garante a retoma de um conjunto de atividades, com destaque para as atividades escolares. «Agora, para além do pré-escolar e primeiro ciclo, abrirão também as escolas do segundo e terceiro ciclo, bem como os respetivos centros de Atividades de Tempos Livres (ATL)», disse.

«Vão reabrir também os equipamentos sociais na área da deficiência e os centros de dia», afirmou.

«Na área económica, lojas com porta para a rua com menos de 200 metros quadrados deixarão de ter de vender ao postigo e poderão ter as suas portas franqueadas ao público de acordo com a lotação e regras definidas pela DGS», disse também.

No setor da restauração, as esplanadas poderão abrir, mas o Primeiro-Ministro recordou que «não pode haver grupos com mais de quatro pessoas» e que «todas as cautelas devem ser mantidas». «Quando permanecermos no café à conversa, mesmo ao ar livre, devemos manter a máscara para evitar os riscos de transmissão», referiu.

A partir de 5 de abril as feiras e mercados de levante poderão voltar a funcionar para a comercialização de bens não alimentares desde que tenham a autorização dos respetivos presidentes da câmara. «Abrirão também os museus, os monumentos, os palácios nacionais, as galerias de arte e similares», acrescentou.

«Finalmente, no que diz respeito à atividade desportiva, poderão ser retomadas atividades classificadas pela DGS como de baixo risco. A atividade física ao ar livre até quatro pessoas e os ginásios poderão reabrir salvo para aulas de grupo, que continuarão sem poder ter lugar», afirmou.