A Estação Primeira de Mangueira, no Brasil, pretende formalizar um intercâmbio com a escola de samba Sócios da Mangueira, na Mealhada. A intenção foi manifestada, publicamente, por Elias Riche, presidente da escola centenária brasileira, numa sessão online – «Para lá do Atlântico» – que decorreu na noite do passado sábado, e que juntou o dirigente brasileiro ao presidente da direção da escola de samba Sócios da Mangueira, da Póvoa da Mealhada.

Ambas defendem as cores verde e rosa. A do Brasil nasceu em abril de 1928 e tornou-se a inspiração para que, mais tarde, a da Mealhada surgisse nos finais de 1978. Em 2021, as dores são as mesmas. Se a Estação Primeira de Mangueira se viu impedida de desfilar no Carnaval do Rio de Janeiro, devido à pandemia por covid-19, o mesmo aconteceu com os Sócios da Mangueira, cujo os corsos onde desfilam – Carnaval Luso-Brasileiro da Bairrada – foram cancelados no verão transato, pela mesma razão.

«Situação muito difícil e crítica. A nossa escola é muito grande e tem um projeto social maravilhoso, onde se incluem mais de dez mil jovens», começou por explicar Elias Riche, lamentando que muitas dessas pessoas estejam «sem receber um tostão há um ano». Uma situação que se repercute na agremiação que lidera, garantindo que agora o seu objetivo é pensar «mês a mês». «Temos tido muitas ajudas», confessa.

E apesar da pandemia não permitir o contacto físico, disponibiliza, contudo, mais tempo para que projetos futuros possam ser consolidados. «Precisamos montar um intercâmbio entre o Brasil e Portugal, entre a Estação Primeira da Mangueira e os Sócios da Mangueira. Tem que ser agremiação com agremiação, num “negócio” oficial», lançou Elias Riche, afiançando que «as associações dependem das parcerias» e dando o exemplo de uma que já têm, há alguns anos, no Japão.

Uma proposta que mereceu a maior recetividade por parte de André Castanheira, presidente da direção dos Sócios da Mangueira. «Queremos efetivar essa parceria e continuar a espalhar a mensagem da Mangueira pelo mundo», referiu o dirigente, abrindo as «portas» da Mealhada ao presidente da Estação Primeira da Mangueira. «Gostávamos muito de o receber aqui para conhecer a nossa escola; as “4 Maravilhas da Mesa da Mealhada – Água, Pão, Vinho e Leitão”; a Mata do Buçaco; e o Carnaval da Mealhada, onde desfilam também as escolas Batuque, Amigos da Tijuca a Real Imperatriz», continuou André Castanheira, que falou ainda da existência dos Carnavais de Ovar, Estarreja, Sesimbra e Figueira da Foz.

A sessão terminou com o tema «Mangueira, teu cenário é uma beleza» tocado e cantado por Alexandre Lopes («Xandinho»), compositor e intérprete dos Sócios da Mangueira. «Obrigado pelo vosso carinho. É uma honra muito grande”», referiu Elias Riche.

 

Mónica Sofia Lopes