Os vereadores da coligação «Juntos pelo Concelho da Mealhada» apresentaram, na vila da Pampilhosa, um conjunto de contrapartidas para a emissão de Declaração de Interesse Municipal da obra de concordância entre a Linha da Beira Alta e a Linha do Norte. O assunto que esteve na ordem do dia na passada reunião municipal não foi discutida pelo vereador da oposição do executivo liderado por Rui Marqueiro – Hugo Silva -, «por eventual conflito de interesse familiar», tendo, contudo, sido, na manhã de quinta-feira, mote para uma conferência de imprensa.

O tema estava na agenda da reunião do executivo municipal da Mealhada, realizada no passado dia 27 de julho, mas a pedido dos vereadores da oposição foi adiada para o próximo dia 3 de agosto, por entenderem que «o assunto carece de debate alargado, se possível ouvindo a população, uma vez que estão em causa questões de identidade concelhias». Hugo Silva não participou na discussão, explicando que um dos terrenos a expropriar é da titularidade de um familiar próximo e Sónia Branquinho defendeu que o processo da concordância devia ser alvo de contrapartidas.

Na sessão, Arminda Martins afirmou que «esta concordância é meio caminho andando para termos uma boa Estação na Pampilhosa», considerando até, que «jamais serão feitas obras na Estação sem a concordância estar concluída». A vereadora socialista afiançou que «as propostas significam parar o processo e voltar à estaca zero».

Rui Marqueiro garantiu «estar a ser feito muito trabalho» sobre o assunto e que não havia «qualquer problema no reagendamento do ponto», pedindo que as propostas da oposição chegassem aos serviços camarários até às 17h00 da passada quarta-feira. Propostas que, antes mesmo de serem discutidas na reunião pública da próxima segunda-feira, foram já apresentadas por Hugo Silva, numa conferência de imprensa que se realizou junto à Estação de Comboios da vila da Pampilhosa, alegadamente por lhes ter sido negada uma sala na sede da Junta da Pampilhosa.

«Construção de um novo Pontão Rodoviário Central que ligue a Pampilhosa ao Canedo; reforço imediato das condições de serviço da CP, para que o território seja atrativo para a fixação de famílias e de empresas, nos polos urbanos do concelho servidos por Estações (horários, serviços urbanos na ligação a Coimbra e a Aveiro); fixação Definitiva da Locomotiva BA-61, como ponto Museológico focal no Município da Mealhada, totalmente recuperada; contrato programa/financiamento para a construção do Museu Municipal da Ferrovia na Pampilhosa; doação das Casas dos Ferroviários ao Município de Mealhada e um contrato programa/financiamento para a criação de alojamento turístico para a juventude nessa localização; contrato programa/financiamento para a construção de Pólo de Alojamento Empresarial nas antigas Cerâmicas da Pampilhosa e terrenos adjacentes; remodelação e modernização garantida e calendarizada da Estação da Pampilhosa; e requalificação da Estação do Luso e consignação graciosa para fins comunitários, mas sob tutela do Município» são algumas das contrapartidas que a oposição quer que a Autarquia da Mealhada negoceie com diversas entidades estatais.

Para os vereadores da oposição «Juntos pelo Concelho da Mealhada» a concordância da Linha da Beira Alta e a Linha do Norte significa «secundarizar, para não dizer mesmo matar, a Estação da Pampilhosa, que representa o entroncamento ferroviário do Norte». «Rasgar mais uma linha aqui, depois de tudo o que perdemos na ferrovia, sem com isso haver um olhar dedicado ao nosso território, é inaceitável!», lamentam.

 

Mónica Sofia Lopes