Os deputados do Partido Socialista eleitos pelo distrito de Aveiro visitaram, no passado dia 22 de junho, a Mata Nacional do Bussaco, com o objetivo de acompanhar os trabalhos de recuperação motivados pelas recentes tempestades, bem como os desafios presentes e futuros deste «importante património do distrito e do país».

Na visita tiveram a oportunidade de reunir com o presidente da Fundação Mata do Bussaco (FMB), António Gravato, e com o presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro, que evidenciaram o trabalho de recuperação da Mata Nacional do Bussaco, nomeadamente a intervenção no património edificado, que se encontrava profundamente degradado, designadamente as Capelas e Ermidas da Via-Sacra e o Convento de Santa Cruz, bem como as intervenções previstas para a sua componente florestal.

«A capacidade de superação deste património fustigado nos últimos dois anos por quatro severas tempestades é resultado do trabalho de todos aqueles que ajudaram e ajudam a construir um património único» destacaram os deputados do PS na visita que realizaram.

Após esta reunião, e a propósito de uma nota de imprensa dos deputados do Bloco de Esquerda eleitos pelo distrito de Aveiro, insinuando o abandono e inação da Mata do Bussaco (ver notícia em https://www.bairradainformacao.pt/2020/06/19/bucaco-luta-contra-cenario-de-guerra-deixado-pelas-ultimas-tempestades/), a deputada do PS, Joana Sá Pereira, interveio na Comissão Parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, no dia 24 de junho, contrariando «as infundadas acusações feitas pelo Bloco de Esquerda, que comprovadamente não quis procurar os esclarecimentos devidos».

«Esta forma de fazer política é irresponsável e pouco séria porque apenas procura desinformar. Após a reunião com a FMB percebemos porque é que o Bloco de Esquerda não quis reunir com a FMB: porque se de facto tivessem procurado os esclarecimentos para as dúvidas apresentadas poderia dar um melhor contributo para a perseveração do património que é de todos», referiu, posteriormente, a deputada Joana Sá Pereira.

Na comissão, a deputada lamentou ainda: «Foi realmente com alguma pena que nos sentimos sozinhos quando em 2013, por Resolução do Conselho de Ministros, vociferámos contra o corte no financiamento das Fundações, entre elas a da Mata do Bussaco, e quando reclamávamos a classificação como monumento nacional, o que só sucedeu em 2018. Nestes dois momentos infelizmente não ouvimos o Bloco de Esquerda a preocupar-se com a Mata do Bussaco».

 

 

Texto escrito a partir de um comunicado do Partido Socialista – Federação de Aveiro