A escola de samba Sócios da Mangueira, da Póvoa da Mealhada, está nomeada em dez categorias dos Globos do Samba, uma iniciativa do projeto “Samba Com Vida”, promovida pela escola de samba de Estarreja “Trepa Coqueiro”. Também o Batuque, da Mealhada, está na corrida, com nomeações em duas categorias – casal mestre sala e porta bandeira – e os Amigos da Tijuca na comissão de frente e no grupo / ala de passistas.

Os Globos do Samba, inseridos no projeto “Samba com Vida” pretendem premiar o trabalho das escolas de samba e dos sambistas de Portugal que mais se destacaram ao longo de cada ano. Cada categoria tem quatro nomeados que foram obtidos, direta e exclusivamente, do resultado das votações de todas as escolas de samba de Portugal. Os vencedores de cada uma serão decididos pelo público em geral, através de uma votação online que já está a decorrer em https://globos.sambacomvida.com/, bem como por um júri.

Este ano, referente à prestação no ano de 2019, os Sócios da Mangueira estão nomeados nas categorias de rainha da bateria (Raquel Pombo), comissão de frente, porta-bandeira (Adriana Carvalho), melhor escola em palco, samba-enredo, grupo / ala de passistas, bateria, harmonia, mestre-sala (Renato Sabão) e melhor carnavalesco / comissão de Carnaval.

A escola da cidade da Mealhada, que é como quem diz o Batuque, está nomeada, pelo terceiro ano consecutivo, nas categorias de porta-bandeira e mestre sala, cargos ocupados por Rita Fernandes e Alcides Ferreira. “É um orgulho a nomeação deste casal, principalmente pela entrega que fazem à escola durante todo o ano. Esperamos que tragam o prémio para casa”, disse Jorge Pires, carnavalesco do Batuque.

Os Amigos da Tijuca, escola oriunda de Enxofães, no concelho de Cantanhede, está, tal como ano passado, nomeada na categoria de comissão de frente e estreia-se, em 2020, na de melhor grupo / ala de passistas. A escola que nunca venceu o concurso avaliativo do Carnaval da Mealhada, assume que as nomeações significam que a escola “passa de desconhecida a conhecida”. “Finalmente, passo a passo, estamos a dizer presente. É, sem dúvida, um reconhecimento grande e muito importante por parte de escolas de outros carnavais do país”, afirma a carnavalesca Gisela Oliveira.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia de José Moura