“Vamos ver se não saio à frente com a rainha da bateria”. Foi desta forma, entusiasmada, que Luciana Abreu falou, ontem, na SIC, referindo-se à sua participação nos corsos do Carnaval Luso Brasileiro da Bairrada, que acontecem nos próximos dias 23, 24 e 25 de fevereiro. No programa Alô Portugal, que foi conduzido por Ana Marques, a atriz e cantora esteve acompanhada por Leonardo Vieira, o ser par no reinado do Carnaval da Mealhada.

Os estúdios do Parque Holanda, em Carnaxide, receberam, ao início da manhã de ontem, os reis do Carnaval da Mealhada – Luciana Abreu e Leonardo Vieira -, mas também alguns elementos dos órgãos sociais da Associação de Carnaval da Bairrada, que assim privaram com os artistas e ultimaram os últimos preparativos para a estadia no concelho da Mealhada.

“Eu acho que vou fazer feio ao lado de uma Luciana com muita energia e samba no pé lembrando o Sapucaí”, disse, entre risos, Leonardo Vieira, o ator brasileiro conhecido pelas personagens Leandro Ferreira da Silva na telenovela Senhora do Destino da Rede Globo; o vilão Vítor Lopo Júnior na telenovela Prova de Amor; e o policial Marcelo Duarte Montenegro em Caminhos do Coração/Os Mutantes da Rede Record, que reside em Portugal há já um ano e meio, numa tentativa de “fugir” ao clima de insegurança que o Brasil tem vivido.

Já Luciana Abreu promete divertir-se “e levar risos e sorrisos às pessoas”. “Vamos ver se não saio à frente com a rainha da bateria”, promete a atriz, que garante que vai querer “cumprimentar as sambistas todas da Mealhada”.

Os dois artistas estarão no concelho da Mealhada, ao que tudo indica, a partir do dia 22 de fevereiro e Luciana Abreu far-se-á acompanhar das duas filhas mais velhas.

Recordamos os nossos leitores que a edição de 2020 do Carnaval Luso Brasileiro da Bairrada conta com um orçamento de 111 mil euros e cerca de um milhar de participantes – entre escolas de samba, grupos apeados, cabeçudos, gaiteiros, reis e organização do evento – nos corsos.

A Câmara Municipal da Mealhada continua a ser o principal financiador do evento, com comparticipações de vinte e quatro mil euros para a ACB e de trinta e seis mil euros repartidos pelas quatro escolas de samba que desfilam nos corsos, dois diurnos – nas tardes de 23 e 25 de fevereiro – e um noturno, a 24.

“Numa manobra de promoção, a ACB espalhou pelas rotundas da Mealhada figuras alegóricas em fibra de vidro usadas em edições anteriores”, mas, segundo a agência Lusa, acabou por retirar uma estatueta de uma jovem na rotunda de acesso à vila do Luso, após protesto da Sociedade da Água de Luso, uma vez que “a empresa considerou que a figura era uma cópia do símbolo comercial que integra os rótulos das garrafas de água do Luso”.

 

 

Mónica Sofia Lopes