A mealhadense Beatriz Cortesão, de vinte e um anos, é o mais recente membro da EUYO (“European Union Youth Orchestra”). No papel de harpista, a jovem irá iniciar, já na digressão de Primavera, o seu percurso na orquestra, que, anualmente, seleciona “de forma rígida” músicos de todos os países europeus.

“Ganhei o lugar de harpista na EUYO, orquestra para a qual prestei provas em novembro passado em Portugal”. São estas as primeiras palavras de Beatriz Cortesão, quando contactada pelo nosso jornal, garantindo que “desde os dezasseis anos que prestava provas” e que “apesar de saber ser muito difícil entrar”, sempre viu as tentativas como “mais uma experiência”.

A OJUE – Orquestra de Jovens da União Europeia (EUYO em inglês) – foi fundada pelo maestro Claudio Abbado em 1976, um rotulado músico que deu nome à “Civica Scuola di Musica Claudio Abbado”, uma escola privada em Milão (Itália), onde Beatriz Cortesão estuda desde 2017.

Aquando da entrada na escola italiana, e em declarações ao «Bairrada Informação», Beatriz Cortesão confessou-nos “gostar muito” da instituição de ensino, mas principalmente “da Professora Irina Zingg (harpista profissional)”, a responsável pela ida da jovem, natural de Santa Luzia (Barcouço), para um país estrangeiro em busca de uma profissionalização em harpa. “É fantástico trabalhar todas as semanas com ela e já estou a sentir os resultados das aulas”, disse-nos na ocasião.

A orquestra EUYO é internacionalmente conhecida, trabalhando com grandes nomes do panorama musical internacional e dando a oportunidade dos seus elementos tocarem nas maiores salas de concerto do mundo, como a Royal Albert Hall em Londres; Carnegie Hall em Nova Iorque; e na Musikverein em Viena. De Amesterdão a Abu Dhabi, Moscovo a Mumbai, Seoul a São Paulo, a orquestra tem-se apresentado pelos cinco continentes.

“As provas que fazemos consistem em executar os excertos obrigatórios do repertório orquestral, escolhidos pela organização da orquestra, e uma peça de escolha livre”, explica-nos Beatriz Cortesão, referindo que “as provas duram, normalmente, quinze minutos”. “Não há tempo para deixar passar os nervos iniciais porque, entretanto, já passou a prova!”, afiança, não escondendo a satisfação na sua prestação que a leva agora a ser membro da “European Union Youth Orchestra”.

Um feito que não passou despercebido ao executivo municipal mealhadense que, por sugestão de Sónia Branquinho, da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada”, aprovou um voto de louvor pela conquista de Beatriz Cortesão, a jovem que, em 2018, subiu ao palco do “Got Talent”, tendo na primeira audição recebido nota positiva de Manuel Moura dos Santos, Cuca Roseta e Pedro Tochas.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografias com Direitos Reservados