A vigésima terceira Festa Diocesana das Famílias realizar-se-á na cidade da Mealhada no próximo domingo, dia 26 de maio. Apesar de ser um fim-de-semana dedicado à recolha de bens para o Banco Alimentar e também de eleições europeias, o Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar de Coimbra garante que o programa está feito “para que todos possam contribuir e exercer o seu direito de voto, antes ou depois da festa”. Com estimativa de bom tempo, as famílias da Unidade Pastoral da Mealhada têm tudo preparado para que a zona desportiva da cidade possa vir a receber cerca de duas mil pessoas.

A última vez que o concelho da Mealhada recebeu esta Festa foi em 2008, no Luso. “É um acontecimento que foi ganhando notoriedade nos últimos vinte e três anos, sendo dos mais relevantes da Pastoral”, disse, ontem, dia 21 de maio, na Igreja da Mealhada, o Padre Nuno Santos, coordenador do Secretariado Diocesano da Família, enaltecendo o papel da comunidade da Unidade da Mealhada que, diz, estar “muito motivada”.

Sob o tema “Família, acolhe e celebra a Vida”, esta festa tem como primeiro objetivo, promover a sensibilização da comunidade, em geral, e dos cristãos diocesanos, em particular, para o valor primordial de celebrar a “família”, na vivência da “alegria do amor”, como um “lugar de esperança e de realização da pessoa”, independentemente das circunstâncias e realidades, onde a mesma se encontra. “Queremos lançar o dinamismo Pastoral Familiar nesta Unidade para que quando a festa terminar, haja uma replicação de eventos semelhantes ao longo de todo o ano”, acrescentou.

Assim, o acolhimento está previsto para as 10h 30m, seguindo-se, meia hora mais tarde, no Pavilhão da Mealhada, uma mesa redonda. Com o tema “na era da comunicação” estará o orador Henrique Raposo, cronista do Expresso desde 2008 e em representação da Rádio Renascença; segue-se “no sofrimento e no luto”, com a enfermeira Ana Rocha, dos Cuidados Paliativos do IPO; e ainda João Paiva, da Universidade do Porto, que estará com o painel “na cultura atual”. Temas que o coordenador do Secretariado Diocesano da Família defende serem essenciais “para se pensar a ‘nossa’ família em cenários diferentes”.

Ao mesmo tempo que decorre a mesa redonda, destinada “aos mais crescidos”, fora do Pavilhão, no campo sintético, estarão acontecer atividades lúdicas para as crianças e jovens, com o acompanhamento de monitores. “Haverão sete grupos – fé, amor, missão, intimidade, liberdade, integração e acolhimento – que estarão a dinamizar pequenos jogos”, referiu Frederico Santos, da Unidade Pastoral da Mealhada, acrescentando que as atividades terão o apoio da Guarda Nacional Republicana, Bombeiros, Escuteiros e do Colégio Salesianos de Mogofores (Anadia).

Na zona que vai desde a Escola Profissional Vasconcellos Lebre até à Estação, e com o apoio da Câmara, estarão uma série de mesas e parasois para fazer face ao período de almoço partilhado, tanto para quem levar refeição como para quem comprar no local, onde existirá um bar com venda de sandes de leitão, bifanas, vinho e o espumante da região “a bons preços”.

Pelas 14h 30m dar-se-á lugar ao momento cultural com o coro dos Aposentados da Bairrada, a Oficina do Cértima e o Ballet do Hóquei Clube da Mealhada. Seguem-se as comunicações oficiais e, pelas 16 horas, a eucaristia, presidida pelo Bispo de Coimbra, D.Virgílio Antunes, que estará presente ao longo de todo o dia. A festa termina com a divulgação da data da vigésima quarta Festa, que se realizará no próximo ano.

Em representação da Câmara da Mealhada esteve o vereador Nuno Canilho que garantiu que “para a Autarquia a família é muito importante e, por isso, estamos muito interessados em que toda a comunidade possa aproveitar estes momentos de convívio e litúrgicos”.

 

Mónica Sofia Lopes