«De longe esta é a piscina mais bonita que há em Portugal». As palavras são do produtor Henrique Oliveira que, no passado dia 24 de junho, esteve no Luso a gravar uma das principais cenas da série televisiva «Cuba Libre», inspirada na história verídica de Annie Silva Pais, filha única de Silva Pais, o último diretor da PIDE, a polícia política de Salazar.

A piscina do Grande Hotel de Luso foi palco, durante um dia inteiro, da gravação de uma cena que recriou o concurso Miss Piscina Praia, que, em 1958, se realizou na Figueira da Foz. «Como a da Figueira está desativada, tivemos que procurar soluções. Estava previsto acontecer em outro lugar, mas a primeira vez que cheguei a esta piscina não tive dúvidas de que seria aqui que iam acontecer as filmagens», referiu, ao «Bairrada Informação», o produtor Henrique Oliveira, acrescentando que «é de longe a piscina mais bonita que há em Portugal».

«Cuba Libre», que será transmitida na RTP em 2022, conta a história de uma jovem que, mesmo com o pai nos altos escalões do regime ditatorial, se afirma como revolucionária e curiosa, insurgindo-se, à época, contra alguns dos padrões que sustentavam a sociedade. A série dará assim a conhecer Annie Silva Pais, uma jovem que acaba por se casar, em 1965, com um diplomata suíço e se muda para Havana, deixando a família para se entregar ao amor por um jovem que luta por outros ideais. Pelo meio há ainda espaço para um breve romance com Che Guevara. O elenco, que tem Beatriz Godinho como protagonista da série, conta ainda com nomes de relevo, tais como, Margarida Marinho, Adriano Luz, Lia Gama e Liliana Santos.

«É uma histórica verídica, passada em dois países diferentes, em Portugal e em Havana (Cuba), que retrata uma grande história de amor entre uma mãe e uma filha, única, mimada, da alta burguesia de Lisboa», explica o produtor, elogiando «a equipa extraordinária que está por detrás da série». «As pessoas estão apaixonadas pelo projeto. Temos atores vindos de Espanha, França e Argentina que, quando leram o guião, quiseram logo vir. Há uma entrega enorme», disse ainda Henrique Oliveira, garantindo ser «um produto de qualidade feito com valores muito mais baixos quando comparados com outras produções».

O argentino Victorio D’Alessandro é um dos atores, vindos de fora, que abraçou o projeto. «Apareço em Cuba e conheço a Annie quando ela vai para lá com o marido para a revolução», referiu o ator e modelo, sublinhando estar «muito feliz» por estar em Portugal: «Conheci muitos lugares, todos eles magníficos, e estou apaixonado pela comida e bebida portuguesas».

Outra das particularidades da passagem pela vila de Luso foi o facto de a equipa da série ter aberto casting para quem quisesse fazer de figurante. Daniel Vieira, da Pampilhosa, foi um deles. «Inscrevi-me, enviei os meus dados e fotografias e fui selecionado. Pediram-me para não cortar a barba até às gravações. Ontem (23 de junho) vim experimentar a roupa, cortaram-me um bocado o cabelo e deixaram-me com um bigode», referiu o participante, explicando que o seu papel «era o de um pai que estaria de férias, naquele momento com as filhas na piscina». Apesar do calor que se fez sentir nesse dia e das repetições em cada cena, Daniel Vieira considera «muito interessante» a experiência pela qual passou. «Apesar de cansativo, a organização foi espetacular com o staff sempre preocupado com o nosso bem-estar», rematou.

O Grande Hotel de Luso foi ainda palco, nesse dia, «da estreia absoluta do teaser da série referente às últimas sete semanas», cujas gravações terminarão durante esta semana.

 

Mónica Sofia Lopes