O Município de Anadia assinalou, na tarde de ontem, o Dia Mundial do Ambiente com a inauguração do Centro Interpretativo do Ciclo da Água e da Floresta, em Canelas, na freguesia de Avelãs de Cima, um espaço que deu vida à antiga Escola Primária da localidade e surge no âmbito do Orçamento Participativo levado a cabo pela Autarquia. A apresentação da nova oferta fez parte de um lote de outras duas inaugurações – o Moinho de Água integrado no Parque Ecológico de Vila Nova de Monsarros e o Miradouro de Sangalhos -, representando um investimento global superior a 250 mil euros.

O Centro Interpretativo do Ciclo da Água e da Floresta, localizado na antiga Escola Primária de Canelas, pretende apelar «à consciencialização e valorização dos recursos endógenos (água e floresta), pela importância que têm, pelo valor que representam e pelas funções que desempenham». Surge no âmbito do orçamento Participativo do Município de Anadia e pelas «mãos» de Cláudia Martins, Mara Almeida e Marta Ferreira, naturais da freguesia.

«Canelas é uma das localidades mais distantes no concelho, mas também onde há um núcleo de jovens enorme», começou por dizer, ao Diário de Coimbra, Cláudia Martins, de 27 anos, residente na Cerca, explicando que a ideia surgiu «em primeiro lugar, para dar vida a um espaço desativado; em segundo para sensibilizar para as questões ambientais; e em terceiro para trazer as pessoas à freguesia». A ideia pode não ficar por aqui, uma vez que Cláudia Martins deixa no ar que possa ser criado um circuito de Museus do concelho, que começa aqui e termina no Museu do Vinho da Bairrada.

Paulo Nabais, da Living Place, empresa que, em parceria com o CineClub da Bairrada, colocou no terreno o projecto, adiantou também que, entre outras coisas, o espaço tem três ecrãs, onde são transmitidos vídeos com o foco nas termas, nos lagos e na floresta. Um local munido de internet e cujo mobiliário foi todo reaproveitado. «Este Centro será destinado a escolas, mas também a empresas e todas as pessoas que o queiram visitar», referiu Paulo Nabais, acrescentando que «é essencial para que as pessoas tenham noção das questões ambientais e assim alterem os habituais procedimentos».

Maria Teresa Cardoso e Manuel Veiga, presidentes da Câmara de Anadia e da Junta de Freguesia de Avelãs de Cima, respetivamente, agradeceram às «jovens que disponibilizaram este projeto», enfatizando ser destinado «aos mais pequeninos, mas também aos mais idosos». «Quando as pessoas são grandes, é assim que o desenvolvimento se faz», referiu Manuel Veiga. Já Teresa Cardoso concluiu o discurso apelando à preservação do local: «Este espaço é vosso, saibam todos preservá-lo e serem seus embaixadores».

Seguiu-se a inauguração do Parque Ecológico de Vila Nova de Monsarros e do miradouro de Sangalhos que está integrado no Ecoparque, junto ao Complexo Desportivo.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia de Miriam Vieira