A Câmara de Águeda, no âmbito do projeto de mediação municipal e intercultural de Águeda “Igualdade na Diversidade”, que promove em parceria com a Associação Cultural e Recreativa de Vale Domingos e a Gipsy Produções, assinalou o Dia Internacional da Pessoa Cigana (8 de abril) com uma ação pedagógica e cultural em duas escolas do Concelho.

Os mediadores interculturais, as assistentes sociais e membros das duas associações organizaram sessões de apresentação e conversa sobre os costumes e cultura ciganas junto de quatro turmas dos 7.º e 8.º anos da Escola Secundária Marques de Castilho e de outras quatro turmas dos 5.º, 6.º, 7.º e 9.º anos da EB 2,3 de Aguada de Cima.

Neste espaço de diálogo, o mediador do projeto Davide Jimenez falou com os alunos, abertamente e sem restrições, sobre a cultura do povo cigano e as suas tradições. Os jovens mostraram-se interessados e demonstraram toda a sua curiosidade sobre as características definidoras do povo cigano, questionando sobre temas como o casamento, o luto, a frequência escolar ou os costumes.

Uma das mediadoras municipais, Joana Monteiro, salientou que um dos aspetos que rege o projeto “Igualdade na Diversidade” é precisamente “a valorização cultural da comunidade de etnia cigana”, pelo que é de extrema importância “levar aos alunos que não são de etnia esta cultura e desmistificar algumas ideias preconcebidas”.

Orgulhosa das suas origens, Filipa, confessou gostar de comemorar o “seu” dia. Sobre a comunidade onde está inserida, disse que hoje se sente “feliz”. “Dou-me bem com todos e tenho vários amigos”. Mas nem sempre foi assim. Recorda que passou por várias situações, noutra escola, em que “foram racistas comigo, em que não me aceitavam. Não gosto que as pessoas sejam racistas”, desabafou.

Para Paula, uma outra jovem de etnia cigana que estuda igualmente na Escola Secundária Marques de Castilho, celebrar este dia “é importante”, porque, defende, “é preciso apoiar aqueles que não são da mesma origem que os outros”.

Esta iniciativa de levar a cultura e tradições ciganas às escolas foi abraçada com entusiasmo pelo Agrupamento de Escolas de Águeda Sul, que também divulgou na sua página web um pequeno texto alusivo à bandeira cigana, numa resposta positiva ao desafio lançado pelo consórcio do projeto de mediação intercultural.

Ana Sofia Pereira, técnica de serviço social daquele agrupamento de escolas, salientou a importância desta ação. “É excecional que haja este tipo de iniciativas, não só para dar a conhecer outras culturas, como para permitir uma educação mais inclusiva, no âmbito da diversidade cultural, étnica, etc.”, declarou. A técnica sublinhou que essa é, de resto, a postura pedagógica do agrupamento, “que prima pela inclusão e por promover iniciativas para fazer chegar aos alunos uma linguagem de diversidade e de inclusão na diferença”.

Refira-se que o projeto “Igualdade na Diversidade” resulta de uma parceria entre a Câmara de Águeda e as duas associações referidas, com o objetivo de promover a integração das famílias e crianças de etnia cigana, procurando atenuar cenários de exclusão e desintegração social destas comunidades. Aumentar a escolarização, promover o sucesso escolar, diminuir os índices de analfabetismo e aumentar a integração no mercado de trabalho são eixos de ação deste projeto, que pode ser acompanhado em https://mediadoresinterculturais.cm-agueda.pt/.

 

Fonte: Município de Águeda