Fechado há várias semanas, cumprindo as normas de confinamento impostas pelo Governo, o Cineteatro Messias, na Mealhada, reinventou-se, numa iniciativa cultural, que pretende dar vida ao espaço, mesmo que sem a presença do público «in loco». «Palco ao Contrário» é um programa semanal, das noites de quarta-feira, que pretende divulgar e promover os artistas que residem no concelho e que chegará ao público através das redes sociais. Também, na tarde de ontem, no Facebook do Cineteatro Messias foi apresentada a exposição do artista mealhadense Francisco Saldanha, intitulada «Nem eu sabia que sabia fazer».

O músico Pama foi o primeiro convidado do programa «Palco ao Contrário», promovido pelo Município da Mealhada e exibido na noite da passada quarta-feira, no Facebook do Cineteatro Messias. Compositor, guitarrista e cantor, Pama participou, recentemente, no programa «The Voice Portugal», tendo sido «apadrinhado» pelo mentor António Azambujo. Há poucos dias voltou a subir a um palco, o do Cineteatro Messias, onde, mesmo sem público, apresentou 15 minutos de espetáculo, que agora pode ser visto nas redes sociais do Cineteatro e do Município.

«Esta iniciativa é uma luz ao fundo do túnel para dar força aos músicos do nosso concelho», começou por elogiar Paulo Andrade, onde, entre outras coisas, confessou que a sua participação no programa televisivo da RTP, lhe deu força para tentar perceber como pode «ir por outros caminhos». «Levou-me até ao Festival da Canção», disse o músico mealhadense, acrescentando que não passou à fase seguinte, mas que «para o ano correrá melhor». No programa «Palco ao Contrário», Pama tocou e cantou três temas, entre eles, «Segredos».

Na próxima quarta-feira, 24 de Fevereiro, pelas 21h30, o programa, apresentando no Facebook do Cineteatro Messias, terá como convidado o músico lusense Miguel Silva.

Também na tarde de ontem foi apresentada a exposição «Nem eu sabia que sabia fazer» de Francisco Saldanha, natural da Antes. A mostra está exposta no Cineteatro Messias e, dada a pandemia, só pode ser vista digitalmente, pelo menos para já, em  http://cineteatromessias.cm-mealhada.pt/. «Francisco Saldanha é conhecido pelo seu virtuosismo enquanto multi-instrumentista e compositor. Até há pouco tempo, nem ele próprio sabia que sabia fazer tão bem pinturas, peças de artesanato, instrumentos de percussão de elevada complexidade e tantas outras coisas só ao alcance dos predestinados», lê-se na descrição do artista.

No vídeo apresentado, Francisco Saldanha, artista plástico e construtor de instrumentos de percussão, explica que, em 2018, começou a personalizar instrumentos cajón. «Com as sobras da madeira fiz pirografia, o que me levou a desenhar. Em 2019, comecei obras em papel e tela», diz o artista, que, na exposição do Cineteatro Messias, utiliza, entre outras, técnicas em acrílico, pintura a óleo, desenho realista e pintura a caneta.

 

Mónica Sofia Lopes