Quando em meados de junho passado, o executivo da Junta de Freguesia de Barcouço colocou à disposição da população um local para o depósito de «monos» estava longe de imaginar que ali iriam parar diversos tipos de lixo, de vários locais da região. O último carregamento – dezenas de pneus -, para além de indignar João Duarte, autarca da freguesia, ainda lhe acarreta o problema dos custos de ter que arranjar uma viatura que leve o material para um local apropriado.

«Criámos este espaço para a recolha de monos, eletrodomésticos, colchões, etc. A verdade é que ali, e mesmo com ecopontos ao lado, colocam plásticos, garrafas, restos de jardim e de materiais de construção, pneus, livros, dossiers», começa por lamentar, ao «Bairrada Informação», João Duarte, presidente da Junta de Freguesia de Barcouço, que descreve os atos, consequentemente registados no local, como havendo «muita falta de bom senso, de civismo e de respeito pelas pessoas».

«Hoje estava lá um saco com roupas, dossiers e até envelopes com o nome de uma senhora de Vilarinho do Bairro. No outro dia até coisas de uma sapataria de Coimbra vieram ali parar. É vergonhoso!», enfatiza o autarca que está agora a braços com o problema do «depositário» de pneus. «Agora tenho ali o material e ainda vou ter que acarretar com os custos do transporte para tirar os pneus dali e levá-los para o sítio próprio», explica o presidente da Junta de Barcouço, adiantando que «houve quem visse dois veículos a fazer a descarga, mas não conseguiram tirar as matrículas».

O espaço para a deposição de «monos» situa-se junto ao Campo de Futebol de Barcouço, na estrada para Rio Covo, e está disponível desde esta sexta-feira, 19 de junho. A obra, orçamentada em 13 mil euros, foi executada pela Junta de Freguesia de Barcouço, com o apoio financeiro do Município da Mealhada.

Recordamos os nossos leitores que também, na semana passada, a Câmara da Mealhada apresentou queixa na GNR, contra desconhecidos, por depósito ilegal de lixo e vandalismo no jardim do Lago do Luso. Em causa esteve a deposição de sofás, um banco, um colchão, cadeiras, bicicletas, um tampão de jante de automóvel e isqueiros em pleno passadiço que circunda o Lago do Luso. Para o fazerem, segundo nota municipal, «os prevaricadores danificaram algumas peças de vedação que dão acesso ao passadiço».

O Município da Mealhada relembra ainda que dispõe do serviço de recolha de monos. Os munícipes podem entregar estes haveres de que já não necessitam (eletrodomésticos, mobiliário, etc.) junto do Ecocentro, no Estaleiro Municipal, de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 13h30 às 17h00. Em alternativa, podem solicitar a recolha ao domicílio, que acontece na última quinta-feira de cada mês, pelo telefone 231 200 980 ou pelo e-mail. aguas@cm-mealhada.pt.

 

Mónica Sofia Lopes