O Destacamento Territorial em Anadia da Guarda Nacional Republicana alertou, ontem, para a tentativa de burlas que possam surgir, durante o período de confinamento, nos territórios que abrange. O aviso chegou depois de uma tentativa de burla sobre um idoso que aconteceu em Anadia, em que dois indivíduos, trajados com batas brancas, tentaram pressionar um cidadão a realizar um teste de covid-19, sugerindo para o efeito entrarem dentro da sua habitação.

«Recentemente ocorreu na área de Anadia uma tentativa de burla sobre um idoso que se caracteriza pela abordagem de dois suspeitos desconhecidos trajados com bata branca, máscara cirúrgica e uma pasta, que pressionarem um idoso a realizar um teste de despistagem de Covid-19», explicou, ao «Bairrada Informação», o capitão Cláudio Lopes, comandante do Destacamento Territorial de Anadia, garantindo que «houve muita insistência em entrar na habitação por parte dos indivíduos, tendo o cidadão recusado o teste e impedido a entrada na moradia, o que levou os burlões a abandonarem o local».

O capitão Cláudio Lopes alerta que «este tipo de criminalidade ocorre normalmente com pessoas mais desinformadas e idosas, pelo que é necessário que todos estejamos atentos para comportamentos suspeitos nos nossos meios sociais e, caso os detetem, recolham o máximo de informação possível, como por exemplo a  descrição dos burlões, eventuais viaturas onde se façam transportar e até uma foto dos mesmos».

«Este tipo de situações podem variar na forma como são feitas, no entanto», enfatiza o comandante do Destacamento Territorial de Anadia da GNR, «neste momento, não há venda de nenhum tipo de serviços porta a porta, muito menos a realização de testes, que, ou são feitos em estabelecimentos de saúde, ou no caso de serem realizados em casa, são sempre efetuados por uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica, devidamente identificada e em viatura caracterizada».

«Os tempos em que vivemos, motivados pela pandemia Covid-19, são tempos complicados que nos exigem especial atenção ao respeito pelas regras impostas e pela segurança de todos nós», continua o capitão Cláudio Lopes, recordando que «a segurança é um dever de cidadania, cabendo a cada um de nós cuidar dos outros também».

Os contactos disponíveis em caso de necessidade são o 231 512 341 e/ou 962 095 007.

Ao nosso jornal o capitão Cláudio Lopes informou ainda que desde o início do estado de emergência, declarado em meados de março, foram detidos dois indivíduos em Oliveira do Bairro: «Um por desobediência ao confinamento e outro por ter o estabelecimento aberto com ordens para o encerrar».

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Imagem de Arquivo