“Tradicional ou realidade virtual. Vamos brincar?” é o enredo dos Sócios da Mangueira, escola oriunda da Póvoa da Mealhada. “O Carnaval deixou de ser uma festa popular para ser uma manifestação cultural e nós aproveitamos isso para falar, por exemplo, de problemas sociais e daquilo que se passa na sociedade na atualidade”, descreve Inês Machado, carnavalesca da Mangueira, enfatizando que o tema retrata “brincadeiras de crianças: como era no passado, como se brinca nos dias de hoje e que efeitos isso pode ter na vida das nossas crianças”.

Inês Machado considera ser este “um tema leve e de leitura muito fácil até porque o objetivo é que, à medida que a escola vá passando, as pessoas se consigam identificar com o que vão vendo”.

Durante todo o percurso, os Sócios da Mangueira terão brincadeiras tradicionais, bandas desenhadas, fantoches, marionetas, quebra-cabeças, legos, palavras cruzadas, pacman, tétris, jogos de tabuleiro, super-heróis, jogos de vídeo e robótico. “O carro alegórico faz a junção entre os dois mundos”, diz ainda Inês Machado, defendendo que “não é o que é antigo é que era bom e não é só o que é recente que é mau. Tem que haver um peso e uma medida”.

Em 2020, os Sócios da Mangueira desfilam com mais quarenta elementos do que no ano transato, perfazendo um total de cerca de duas centenas. “A adesão é muito grande e acho que isto que acontece pelo trabalho que fazemos ao longo do ano, onde chegamos a vários pontos do país e até fora dele”, elogia André Castanheira, presidente da direção, confessando que fruto das atuações que fazem por mais perto – como Coimbra, Mira e Figueira da Foz – a procura tem sido cada vez maior. “Nós trabalhamos o ano todo. A partir de abril montamo-nos dentro de um autocarro e não paramos até setembro”, explica ainda o dirigente, enfatizando, contudo, que “o facto de levarem muitas pessoas no corso traz encargos acrescidos à escola”.

Acerca dos preparativos, Inês Machado confessa que “começaram mais tarde do que o normal”. “O início dos trabalhos é sempre mais complicado, mas estamos, neste momento, a finalizar o Carnaval e muito curiosos para ver como tudo vai ficar na avenida”, enaltece a carnavalesca.

 

 

Mónica Sofia Lopes