O executivo municipal da Mealhada ratificou, na manhã de ontem, a proposta de resolução contratual, com a empresa Marvoense, referente à empreitada de reabilitação do Mercado Municipal da Pampilhosa, depois do prazo de prorrogação de entrega da obra já ter passado. Resultado deste atraso, já no passado mês de janeiro, a Câmara deliberou multar a empresa pelos transtornos causados.

O término da obra, que deveria ter sido entregue no final de 2018, segundo Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, “está por detalhes”, nomeadamente a receção de quatro portões e a intervenção de alguma parte elétrica (essencialmente luminárias) e, por isso, o autarca “quer resolver a situação o quanto antes”.

Recordamos que o Mercado Municipal da Pampilhosa se divide em dois pisos, funcionando o núcleo central ao nível do rés-do-chão, onde existirão as bancas do mercado, dezoito lojas, oito apoios de loja, áreas técnicas e gabinetes de suporte ao mercado, instalações sanitárias, dois espaços polivalentes, elevador, arrumos e uma moradia unifamiliar de habitação do guarda do mercado. O segundo andar é composto pelo varandim, dois espaços polivalentes e arrumos.

Também referente a outra obra, da responsabilidade do Município, a Câmara da Mealhada

está em fase de preparação da consignação da empreitada de conclusão da obra de reabilitação da Escola Secundária da Mealhada, resultante de um concurso de carácter urgente, que, ao que tudo indica, deverá estar formalizada em meados do próximo mês de março, podendo, logo de seguida, dar-se início os trabalhos.

Na reunião foi ainda aprovada uma bolsa social de ensino superior no valor de oitocentos e setenta e um euros.

 

Mónica Sofia Lopes