Milhares de pessoas concentraram-se, na tarde de ontem, nas principais ruas da cidade da Mealhada para assistirem a mais uma edição do “Carnaval de Palmo e Meio”, uma iniciativa que colocou no corso perto de 900 crianças e umas dezenas de voluntários de diversas instituições do município mealhadense.

É um autêntico desfile do Carnaval da Mealhada, mas onde as estrelas são os sambistas de “palmo e meio” oriundos das diversas Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho, mas também do Agrupamento de Escolas da Mealhada. “Temos neste desfile, desde o início do evento, sete IPSS de todo o concelho. A partir do ano passado, o Agrupamento de Escolas começou também a participar com cerca de 100 crianças, aumentando este ano para 220”, começou por dizer Nuno Canilho, vereador na Câmara da Mealhada responsável pelo pelouro da Ação Social, acreditando que, na tarde de ontem, estiveram pelas ruas da Mealhada “vários milhares de pessoas”. “O facto de as entradas serem gratuitas não nos permite ter números exatos, mas se cada uma das crianças estiver acompanhada de dois ou três familiares, a moldura humana é grande”, explicou.

O Carnaval de Palmo e Meio é organizado pelo Setor de Ação Social da Autarquia em colaboração e no âmbito da Rede Social do Município, procurando ser um momento de encontro e de ligação entre as diversas IPSS, o Agrupamento de Escolas da Mealhada e a população em geral, bem como ser um momento dedicado às crianças nesta época tão especial para a comunidade mealhadense.

O evento conta com o apoio da Guarda Nacional Republicana, Bombeiros da Mealhada, Sociedade de Água de Luso, Escola Profissional Vasconcellos Lebre, Agrupamento de Escolas da Mealhada, Associação de Carnaval da Bairrada, as quatro escolas de samba que desfilam no Carnaval Luso Brasileiro da Bairrada – Sócios da Mangueira, Batuque, Real Imperatriz e Amigos da Tijuca – bem como voluntários de outras coletividades do concelho (grupos corais Columba e Magister; Cruz Vermelha; Associação da Vimieira; e NJovem). Também os funcionários municipais, de diversos sectores da autarquia, se juntaram à festa.

Para Nuno Canilho, esta é uma grande oportunidade de se colocar a arte nas escolas, uma oportunidade que garante que “está a ser muito bem aproveitada”. “Trabalham a dança, a música, a arte e cultura, fazendo um trabalho de inclusão e isso é muito importante”, elogiou ainda o vereador, garantindo que “para o ano há mais e ao domingo”. “Tem resultado muitíssimo bem!”, rematou.

E o público aplaude. Sandra Queirós, de Coimbra, tem assistido a todos os desfiles infantis na Mealhada, nos últimos anos: “Já é uma tradição reunirmos a família neste dia e de seguida virmos aqui ver a ‘mais pequenina’ desfilar”. O mesmo acontece com a Alexandra Byadchenko, natural da Ucrânia, mas a residir na Mealhada desde os quatro anos: “Já é uma tradição assistir a este espetáculo que traz sempre muita gente à cidade”, disse.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Galeria de fotografias, de José Moura, em https://www.facebook.com/bairradainformacao/