Cerca de seis dezenas de presidentes de movimentos mutualistas, oriundos de vários pontos do país, realizaram a terceira reunião anual na Mealhada, que marca assim o início dos trabalhos para 2020. As novas tecnologias da informação ao serviço do Mutualismo foram o tema central do encontro.

“Nesta reunião estabelecemos três momentos, sendo o primeiro o da apresentação do novo site (https://www.mutualismo.pt/portal/index.php?page=main#conteudo) que contém agora uma área reservada onde, por exemplo, as informações estatutárias e orçamentais de todas as nossas entidades estarão na plataforma. É uma forma de estarmos atentos ao trabalho que é feito”, declarou, ao «Bairrada Informação», Luís Alberto Silva, presidente do Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas.

Para além disso, foi ainda apresentada a aplicação AMIGA, “um programa de gestão de associados, online, desenvolvido com as mutualidades e para as mutualidades”, que contém “um sistema modular que pode ser implementado e/ou acrescentados módulos ou requisitos necessários a cada entidade”. Os registos são atualizados em tempo real.

“No final da reunião, todos os dirigentes serão desafiados a dizer o que gostariam de ter nas suas instituições daqui a um ano e, nessa altura, avaliaremos o que foi feito e o que não foi, para se tomar consciência das dificuldades de cada um”, disse ainda, ao nosso jornal, Luís Alberto Silva.

Presente na sessão, em representação da Câmara da Mealhada, esteve Nuno Canilho que começou por destacar o papel do mutualismo em Portugal, que já conta com 723 anos de existência. “Somos das nações mais antigas da Europa e das mais solidárias também”, defendeu o autarca, garantindo não ser de estranhar que “existam, por todo o país, mais de cinquenta associações mutualistas”.

Em resposta ao repto do presidente do Conselho de Administração da União das Mutualidades Portuguesas, também feito em 2019, para que a Câmara da Mealhada crie um movimento mutualista, Nuno Canilho, responsável pela Ação Social do Município, declarou: “Somos um território com cerca de vinte e três mil pessoas e temos quinze IPSS. Estamos, por isso, completamente cobertos de todas as valências e as que não temos são as que ainda não estão tipificadas”.

Na sessão de abertura do congresso, Luís Alberto Silva enumerou ainda a panóplia de eventos para 2020, onde se destacam as Jornadas Mutualistas Regionais já em fevereiro; a assembleia-geral de apresentação do relatório e contas em março; o Encontro Nacional das Mulheres Mutualistas em Bragança; Encontro dos Jovens Mutualistas em Valongo; Encontro Regional de Instituições Particulares de Solidariedade Social em Vila Nova e Foz Côa; 13.º Congresso do Mutualismo em Espinho a 10 de julho; e o Encontro Nacional de Dirigentes Mutualistas em outubro.

 

Mónica Sofia Lopes