O Inspetor Geral da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, Pedro Portugal Gaspar, entregou, na manhã de ontem, 9 de janeiro, à Santa Casa da Misericórdia de Anadia, cento e cinquenta peças de vestuário resultantes de um processo de contrafação que decorreu no Tribunal de Leiria. As roupas serão distribuídas por famílias apoiadas pelo Banco Alimentar, serviço prestado, neste caso, pela Misericórdia de Anadia.

Cumprindo a sua política no âmbito da responsabilidade social, uma comitiva da ASAE – constituída não só pelo Inspetor Geral, mas também por Maria Helena Diogo, Inspetora Diretora da Unidade Regional do Centro, e por João Aldeia, Inspetor / Instrutor Processual – marcou o início das doações em 2020 na região Centro, com a entrega de três centenas de peças de roupa, na manhã de ontem, divididas pela União de Freguesias de Souselas e Botão e pela Santa Casa da Misericórdia de Anadia.

“O produto resulta de apreensões feitas pela ASAE, em que depois sugerimos ao juiz que o seu caminho seja o da doação”, referiu Pedro Portugal Gaspar, explicando também que no processo é necessário que “as marcas patentes na roupa não se oponham à doação” e que as entidades recetoras do produto se comprometem “a proceder à descaracterização do material”.

A receber pela primeira vez este tipo de produtos da ASAE, Joana Félix Ferreira, em representação da coordenadora geral dos Serviços Sociais da Misericórdia de Anadia (Susana Senhora), garantiu que as cento e cinquenta peças de vestuário serão canalizadas “para as famílias que apoiamos no Banco Alimentar, cerca de cinquenta, que têm dificuldades aos níveis alimentar e de vestuário, e que normalmente têm todas muitos filhos”.

Ao nosso jornal, o Inspetor Geral da ASAE fez ainda um balanço do ano de 2019, em que foram distribuídas cerca de doze mil peças, divididas por oitenta e duas doações nos dezoito distritos portugueses. “Temos sempre a preocupação de chegar a todo o país”, enfatizou ainda.

 

Mónica Sofia Lopes