O Cineteatro Municipal Messias, na Mealhada, celebra os seus setenta anos de existência com o fim-de-semana, de 17 a 19 de janeiro, repleto de espetáculos. Depois de António Raminhos subir ao palco duas vezes, decorrerá uma Gala comemorativa na noite de sábado, cujo apresentador é Eládio Clímaco, e ainda um teatro de revista nacional com a participação de Carlos Areia, na tarde de domingo. Os dois últimos espetáculos são totalmente gratuitos.

O fim-de-semana começa com António Raminhos a subir ao palco na noite de 17 de janeiro e na tarde do dia seguinte. Uma participação que não é novidade no Cineteatro Messias e que, em poucos dias, esgotou a primeira sessão, “obrigando” os responsáveis pela programação do espaço cultural a abrir a bilheteira para uma nova sessão.

Depois do humor, segue-se a prata da casa com uma Gala que se realiza no sábado, 18 de janeiro, pelas 21h 30m, e que conta com a apresentação de Eládio Clímaco. Subirão ao palco o Ballet do Hóquei Clube da Mealhada, a Caixa de Palco, as Filarmónicas da Pampilhosa e Barcouço, o Grupo Cénico de Santa Cristina, a Oficina de Teatro Cértima, o músico Pama e os Sócios da Mangueira. No dia seguinte, domingo, pelas 16 horas, será a vez do teatro de revista nacional “Quero ir prá ilha” que, entre outros, tem a participação do artista Carlos Areia.

Estes dois últimos espetáculos são de entrada gratuita, mas carecem de reserva prévia através do número de telefone 231 209 870 e/ou correio eletrónico teatromessias@cm-mealhada.pt.

A referida comemoração acontece numa altura em que o Cineteatro Messias já fez o balanço do último ano e, entre público, artistas, técnicos e produtores, sabe-se que recebeu mais de cem mil pessoas. “O ano de 2019 foi o melhor de todos, na última década, em matéria de programação cultural e adesão do público aos eventos artísticos. A procura de bilhetes foi de tal ordem que alguns espetáculos tiveram que ser repetidos, como foi o caso do stand-up de António Raminhos e o teatro de Fernando Mendes, que fizeram mais sessões do que as inicialmente estavam previstas. Também o teatro infantil o Feiticeiro de Oz bateu todas as marcas, com a realização de seis sessões, cinco delas esgotadas», garante Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, satisfeito com o êxito da programação cultural.

“Boa parte do público do Cineteatro Messias, que vem de fora, acaba por chegar mais cedo e jantar nos restaurantes da Mealhada. Alguns chegam mesmo a passar o fim de semana nas unidades hoteleiras do nosso concelho, o que muito nos apraz registar”, continua o edil, exemplificando: “Para o concerto da banda de António Manuel Ribeiro (UHF) recebemos pessoas de Tavira, Grândola e Almada. Parece inacreditável!”.

E tudo isto está a acontecer, salienta o autarca, “em condições muito vantajosas para o Município”, sem pagar cache e com os espetáculos a serem promovidos à bilheteira. “A Câmara cede o Cineteatro Messias e apoia os produtores em questões de natureza técnica, logística e de promoção”, remata o autarca.

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia de Arquivo de José Moura