O blog http://www.nabexigamandoeu.pt/ dá-lhe 8 conselhos para poder passar o ano sem sofrer com a Bexiga Hiperativa

 

Estamos prestes a entrar em 2020 e o que para uns é uma noite animada e de convívio, para quem vive com Bexiga Hiperativa (BH) pode ser um desafio. A BH é uma síndrome que  se caracteriza por contrações involuntárias que criam uma necessidade urgente de urinar e diminuem o controlo que cada um tem sobre a sua bexiga. Se acorda várias vezes durante a noite para urinar e vai à casa de banho mais de oito vezes por dia pode sofrer de BH.

Esta doença leva, muitas das vezes, ao isolamento, pois quem vive com BH deixa de realizar algumas atividades e de frequentar os sítios de que mais gosta pelo receio de não conseguir chegar a tempo à casa de banho em caso de necessidade.

Na noite da passagem de ano há programas para todos os gostos – desde ficar em casa, festejar na rua ou numa festa com amigos e familiares. Apesar de esta doença poder ser uma limitação quem tem BH não deve pensar que está sozinho. Para além do acompanhamento de profissionais de saúde, há outras pessoas na mesma condição e os amigos e familiares também podem ajudar a contornar os sintomas da BH.

Nesta entrada para 2020 o blogue Comecehoje.Na Bexiga Mando Eu.pt – plataforma criada pela Astellas Farma que partilha conselhos para ter uma bexiga mais saudável – destaca oito conselhos para entrar em 2020 sem estar a caminho da casa de banho a toda a hora:

Algumas horas antes de sair de casa limite a ingestão de líquidos e de alimentos como café, chocolate e alimentos demasiado picantes.

Se vai a um evento público vá à casa de banho logo que chegar ao local e tente permanecer numa zona próxima da casa de banho durante o evento.

No caso de optar por jantar fora, evite o consumo de bebidas alcoólicas. O álcool é um dos principais estimulantes e pode agravar os sintomas de BH.

Se vai fazer alguma viagem longa de carro, deve certificar-se onde são as áreas de serviço e planear as paragens para poder esvaziar a bexiga.

Se, por outro lado, tiver de usar transportes públicos ou avião, tenha a localização das casas de banho em conta quando comprar os bilhetes e faça o check-in online, evitando as longas filas de espera.

Tenha sempre absorventes e uma muda de roupa consigo.

Se toma medicação para a bexiga hiperativa não se esqueça de a tomar antes de sair e, no caso de passar vários dias fora, certifique-se que leva o suficiente para o período que vai estar fora.

Não deixe de beber água para conter os sintomas, pois pode ser contraproducente. A falta de ingestão de líquidos pode deixar a bexiga concentrada, irritando-a e provocando perdas de urina.

 

Para além dos conselhos acima é muito importante seguir todas as indicações dadas pelo médico, nomeadamente no que respeita à medicação prescrita. Quem tem algum sintoma que possa ser associado à BH deve consultar o médico de família ou um urologista, para poder obter um diagnóstico precoce e começar o tratamento, melhorando a qualidade de vida.

 

Mais sobre a Bexiga Hiperativa

A bexiga hiperativa consiste numa contração ou aperto involuntário e repentino do músculo da parede da bexiga, mesmo quando esta contém um volume reduzido de urina.

As contrações involuntárias criam uma necessidade urgente de urinar, diminuindo o controlo que a pessoa tem sobre a sua bexiga.

Estas contrações dão origem a sintomas associados à bexiga hiperativa, tais como necessidade urgente de urinar, necessidade frequente de ir à casa de banho (oito ou mais vezes por dia, ou uma ou mais vezes por noite) e, em alguns casos, perdas acidentais de urina, por não se conseguir chegar a tempo à casa de banho.

 

“Na bexiga mando eu”

Uma plataforma online que conta com o apoio da Associação Portuguesa de Neurourologia e Uroginecologia  (http://www.nabexigamandoeu.pt/) que vem colmatar a falta de informação que existe sobre esta doença e o seu impacto na qualidade de vida dos doentes, bem como alertar a população para os sintomas com o intuito de reduzir o subdiagnóstico da doença. O portal dedicado a esta patologia é dirigido a doentes, familiares e todas as pessoas que sejam afetadas direta ou indiretamente por este síndrome que é um dos problemas de saúde mais comuns por todo o mundo.