A Meajazz Run conta com cerca de 500 pessoas pessoas inscritas, quer para a caminhada, quer para corrida. Na próxima sexta-feira à noite, o centro da Mealhada ganha vida e transforma-se num enorme palco, primeiro com a prova desportiva e depois com o cenário e sons do Meajazz – 3.º Festival de Jazz da Mealhada.

Esta associação do desporto e lazer à música é uma aposta ganha. Ainda com as inscrições abertas, o número de participantes aproxima-se dos 500, revelando uma enorme adesão a esta iniciativa, que levará os participantes num circuito urbano pelas artérias principais da Mealhada, dando a conhecer ruas e ruelas da cidade. (Ver programa)

À chegada à meta, junto à Câmara Municipal da Mealhada, os participantes encontrarão o espaço dos concertos (com início às 21h 30m), bem como o espaço para degustação das Maravilhas da Mesa da Mealhada, nomeadamente os vinhos e espumantes, a água e o leitão.

A 3.ª edição Meajazz decorre nas noites de 6 e 7 de setembro, com a atuação de seis grupos,  provenientes do Brasil e de Portugal, que trazem as várias sonoridades do jazz, do mais clássico ao jazz de fusão e ao dixie.

Como nas anteriores edição, a entrada no Meajazz é gratuita. A aposta da Câmara da Mealhada num festival de jazz, como parte integrante do programa “Verão é na Mealhada”, surge da tentativa de diversificação da oferta cultural na cidade e da região. O festival conta com o apoio do restaurante “Rei dos Leitões”. A produção artística será da Associação Cultural Motivos Alternativos, sendo a produção técnica da Associação Escolíadas.

 

Meajazz run

19h00 Abertura do secretariado (entrega de dorsais e t-shirts) – Junto à CMM

20h00 aquecimento

20h30 Partida da corrida

20h45 partida da caminhada

21h15 – entrega de prémios

 

 

Meajazz – Festival de Jazz da Mealhada

6 de setembro

António Silva Quartet

Inevitável

Jogo de Damas

7 de setembro

Inês Pimenta

Márcio Dhiniz Quartet

Dixie Gringos

 

6 de setembro

“António Silva Quartet” é um grupo formado por António Silva (guitarra e voz), João Mortágua (saxofone), João Fragoso (contrabaixo) e João Rijo (bateria). Formado em 2016, o quarteto espelha as múltiplas experiências e sonoridades decorrentes da convivência com músicos de diversas nacionalidades.

A formação “Inevitável” é o encontro feliz de dois músicos brasileiros e dos seus instrumentos: Gileno Santana e o seu trompete e Henrique Neto e a sua guitarra. Os dois completam-se, criando um som único, onde notas, ora intensas, ora suaves, se fundem em tons líricos de rara beleza.

“Jogo de Damas” junta as vozes de de Bárbara Francke, Fátima Serro, Sameiro Sequeira e Gabriela Braga Simões. No concerto da Mealhada, o grupo irá apresentar o seu mais recente trabalho discográfico – “Too Close” -, um disco Antena2 que recebeu os mais  rasgados elogios da crítica e do público.

 

7 de setembro

“Inês Pimenta”: as canções são o percurso e as histórias que vive e que vê, são também a música que ouve e que ouviu. O tom é jazzístico e também a formação. Contudo, com atenção, conseguimos perceber-lhe os cantores/compositores do Brasil, a progressividade do rock. Tocou com diversos grupos e experimentou universos musicais únicos como os de Fumaça Preta, Sequin e Joana Barra Vaz.

“Márcio Dhiniz” é um músico virtuoso, um compositor de exceção e um baterista de eleição, que tem no seu currículo trabalhos com  Daniela Mercury, Armandinho Macêdo, Carla Visi, Luiz Caldas, Rosa Passos, Baby do Brasil, Fernanda Abreu, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Jacques Morelenbaum ou Ney Matogrosso.

Os “Dixie Gringos” perpetuam o estilo de New Orleans, fazendo acompanhar a música de uma grande alegria, dinâmica e sentido de humor. A cumplicidade entre os instrumentistas deste ensemble, aliada a uma capacidade de improvisação única, está na base do entusiasmo admirável que os tem acompanhado ao longo do seu percurso. Nas atuações desta banda pulsam as mais puras raízes do jazz, partilhadas num exercício de grande comunicação com o público.

 

Fonte: Município da Mealhada

Imagem de capa: Myriams-Fotos (pixabay.com)