A propósito do Dia Internacional das Lesões na Coluna Vertebral, que se assinala a 5 de setembro, a Campanha Olhe pelas suas costas recorda a importância de prevenir uma lesão na coluna enquanto se conduz, sublinhado que, em caso de acidente, o movimento brusco causado pela colisão do veículo pode provocar uma lesão da coluna vertebral e da medula espinhal, com consequências devastadoras para o resto da vida.

“É importante manter a coluna e a cabeça bem apoiadas no banco, na altura correta, sem esquecer o cinto de segurança e todas as boas regras de condução como: respeitar os limites de velocidade, manter as distâncias de segurança recomendadas, não ingerir bebidas alcoólicas, usar o cinto de segurança, respeitar períodos de descanso e não utilizar o telemóvel”, explica Bruno Santiago, neurocirurgião coordenador da Campanha Olhe pelas suas costas, acrescentando que “estas recomendações são válidas quer para o condutor quer para os restantes passageiros, que muitas vezes adormecem em viagens longas em posições propícias a causar graves lesões na coluna aquando de um embate”.

Após um acidente rodoviário os sintomas podem não ser imediatos, podendo surgir 12 a 24 horas após o impacto, em casos menos graves. O coordenador da Campanha olhe pelas suas costas recomenda que “se sofreu um acidente rodoviário, esteja atento aos potenciais sinais de uma lesão na coluna: dor no pescoço ou costas, dor ao longo do braço ou da perna, dificuldade nos movimentos por falta de força ou alterações de sensibilidade, como dormência. Respeitar a segurança rodoviária pode salvar milhões de vidas e evitar lesões na coluna, que podem ser altamente incapacitantes ou até levar à morte”.

Também é muito importante ter cuidado com as quedas, sobretudo nos idosos, com os mergulhos em zonas de baixa profundidade e com a segurança no local de trabalho. Estas são as principais causas de traumatismos da coluna que podem mudar para sempre a vida de uma pessoa.

Em Portugal os números dos acidentes rodoviários demonstram um aumento gradual de ano para ano. Em 2018, foram registados mais de 34 mil acidentes com feridos, segundo a Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária. “Destaca-se muito o aumento de mortes na sinistralidade rodoviária em 2018, mas isso é apenas a ponta do iceberg, no último ano ocorreram quase 2000 feridos graves, com graves consequências para os próprios e para a sociedade”.

Os acidentes rodoviários são uma das principais causas de morte no mundo, em todas as faixas etárias, e são a principal causa de morte de crianças e jovens adultos (entre os 5 e os 29 anos). Anualmente há cerca de 1,3 milhões de mortes provocadas por acidentes na estrada e as lesões provocadas por estes são já a oitava causa de morte no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Fonte: “Olhe pelas suas costas”

Imagem: PublicDomainPictures (pixabay.com)