Pela primeira vez, o Município da Mealhada adotou um logótipo alternativo ao brasão, tendo, assim, desde há poucos dias, uma nova identidade gráfica. A nova marca, um “M” de linhas e ligações entrelaçadas, procura refletir aspetos tão distintos como artesanato, ligações ferroviárias, ligações afetivas e morfologia do território.

“Mealhada é…”. “Mealhada é desporto”, “Mealhada é gastronomia”, “Mealhada é natureza”, Mealhada é um conjunto de características singulares que valorizam o território e o distinguem no panorama nacional. Foi a partir da frase “Mealhada é…” que surgiu o novo conceito para a identidade do município.

A frase é curta e aberta a uma multiplicidade de usos e fica no ouvido e na mente, que retém facilmente o conceito aqui em equação. A imagem, feita por técnicos da Autarquia, é moderna, dinâmica e “limpa”, permitindo a imediata identificação do Município da Mealhada.

A palavra Mealhada deriva, etimologicamente, de “Meadela” que significa “confluência ou cruzamento de vários caminhos”. Assim, a Logomarca que foi conseguida através do cruzamento de várias linhas, teve como inspiração não só a origem da palavra,mas também diversos aspetos que caraterizam o concelho da Mealhada, procurando reavivar uns, já extintos, homenageando-os, e sublinhar a importância atual de outros, bem presentes no nosso quotidiano. Traduz, por exemplo, ainda que simbolicamente, a velha tradição do empalhamento de garrafões – a artesã Maria Natália Dias Morais, de Barrô (Luso), ainda conserva/preserva essa tradição -, em que se cruza a palha para tornar a malha mais densa e forte.

A logomarca procura também refletir a vertente vinícola do concelho da Mealhada, com as linhas mais ou menos simétricas e longas das vinhas, combinando-se a grande propriedade vinícola com as pequenas linhas de videiras fundamentais para a subsistência de tantas famílias. Simboliza também as importantíssimas vias rodoviárias e ferroviárias que tanto marcam o município. Recorde-se que a cidade e o concelho da Mealhada beneficiam de uma situação absolutamente singular e especial que é a de serem atravessados pela mais importante linha ferroviária nacional (Linha do Norte), a mais importante estrada nacional (IC2/EN1) e a mais antiga autoestrada portuguesa (A1).