Acompanhada de João Vasconcelos e Nuno Pinheiro, a deputada do Bloco de Esquerda na Assembleia da República, Joana Mortágua, visitou, na tarde de segunda-feira, dia 4 de fevereiro, a Escola Secundária da Mealhada como intuito de ver as obras que estão a decorrer desde maio passado. Na ocasião, e reunida com dois representantes da Associação de Pais do Agrupamento, a bloquista garantiu que o partido que representa “vai resistir muito ao decreto que está para sair” de descentralização de competências na área da Educação.

“Achamos que antes de haver transferência de competências devíamos perceber o que as escolas podem ou não ter ao seu encargo”, referiu a deputada, questionando: “Porque é que as escolas não podem contratar funcionários? E porque é que não podem ter um fundo maneio em vez de andarem a pedinchar por pequenas coisas?”.

Para deputada bloquista, “não é obrigação das Câmaras gerir pessoal não docente”, afirmando não ver mal nenhum em serem as autarquias a fazerem obras nas escolas, relembrando, contudo, que “nem todas têm dinheiro para isso” e que, muitas vezes, o reflexo do apoio às instituições de ensino “parte da boa ou má relação entre presidente da Câmara e diretor do respetivo Agrupamento”.

Sobre o decreto de descentralização para a Educação, Joana Mortágua afiançou que o Bloco de Esquerda “vai resistir muito” e que “as escolas, pais, professores e alunos terão que reivindicar” no caso de não estarem de acordo com esta mudança.

Ana Luzia Cruz, deputada do partido na Assembleia Municipal da Mealhada, afirmou que “a municipalização (implementada na Mealhada desde 2015) veio permitir que as Câmaras se metam nos assuntos das escolas”, exemplificando que “até para se mudar uma lâmpada é preciso chamar os serviços municipais”.

O atraso nas obras do edifício da Secundária da Mealhada foi outro dos temas levantado, com Ângela Rodrigues, presidente da direção da Associação de Pais, a relembrar que “o início da obra fará um ano dentro de três meses”. “Já apresentámos as nossas preocupações à Câmara, ao diretor do Agrupamento e levamos o assunto à Assembleia Municipal”, acrescentou também Miguel Felgueiras, da mesma associação.

Desafiada por Ana Luzia Cruz, Joana Mortágua garantiu ir questionar o Ministro da Educação sobre a demora na empreitada.

 

Mónica Sofia Lopes