A coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada” procedeu a uma ação de limpeza no Jardim Municipal da Pampilhosa alegando querer com o ato sensibilizar a Câmara e Juntas de Freguesia do concelho para a limpeza dos espaços verdes. Rui Marqueiro, presidente da autarquia, admite a dificuldade em contratar empresas para o efeito, adianta que a ação da oposição foi “indevida” por ter sido feita em património municipal e garante que “a prioridade (de limpeza) foi o Itinerário Complementar 2”, a montra de passagem do município.

Vereadores e elementos da coligação “Juntos pelo Concelho da Mealhada” procederam a uma ação de limpeza no Jardim Municipal da Pampilhosa, na manhã do passado domingo, que designaram de “1.ª Corrida de Cortadores de Relva da Mealhada”.

Depois de concretizada a iniciativa, Hugo Silva, em jeito de balanço, num video publicado na página oficial da coligação no Facebook, afirmou que “o Verão não é só actividades ‘indoor’”. “As famílias precisam de espaços verdes, de arruamentos limpos e de segurança para as suas crianças”, afirma o vereador da bancada da oposição da autarquia, depois da iniciativa de limpeza, garantindo ter sido focada, na entrada principal, junto aos equipamentos de manutenção física e no parque infantil do Jardim Municipal da Pampilhosa.

Mas Rui Marqueiro, depois de contactado pelo nosso jornal, começa por dizer que esta foi uma “ação indevida por ser em património municipal”, esclarecendo que, desde a semana passada, anda a ser feita “uma intervenção pesada no IC2”. “É a nossa montra e foi a nossa prioridade”, destacou o edil, afirmando que ainda no domingo “os restaurantes do concelho receberam uma verdadeira enchente de pessoas e isso interessa-nos a todos!”.

Por outro lado, o autarca não esconde a dificuldade na contratação de empresas de limpeza. “As três da Mealhada, que contactámos, nenhuma estava disponível”, referiu, afirmando, contudo, que já têm uma empresa do terreno, cuja prioridade é “o Parque da Cidade da Mealhada e o Jardim Municipal da Pampilhosa, seguindo-se o Parque do Lograssol (este com funcionários municipais)”. “O do Luso será o último porque vai haver lá circulação de máquinas e o Lago vai ser totalmente esvaziado”, acrescentou ainda o edil.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Imagem com Direitos Reservados