Esta segunda-feira, dia 5 de julho, e no passado sábado, a Pateira de Fermentelos voltou, e segunda uma nota de imprensa do Município de Águeda, “a ser alvo de descargas poluentes, com fortes impactos tanto do ponto de vista ambiental como na atividade que é desenvolvida na lagoa”. O presidente da Câmara Municipal, Jorge Almeida, solicitou, de imediato, ao Ministro do Ambiente, a abertura de um inquérito que determine fontes, causas e medidas interventivas urgentes, que salvaguardem a lagoa da Pateira de Fermentelos e os seus ecossistemas.

No ofício remetido, que foi igualmente enviado para a Agência Portuguesa do Ambiente, ICNF e SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR), a Câmara de Águeda defende que “a situação verificada este fim de semana poderá ‘evidenciar comportamentos negligentes e mesmo criminosos’”.

“Dispomos de um enorme esforço para cuidar das nossas linhas de água, dos nossos recursos hídricos e depois surgem estas constantes descargas poluentes que afetam e têm impactos profundos em todo este ecossistema”, frisou Jorge Almeida.

Dirigentes e técnicos da Câmara Municipal, acompanhados pela GNR, que foi alertada pela Autarquia para esta situação, percorreram as margens da Pateira, tentando perceber a origem de mais esta descarga, sem sucesso. “Leva-nos a crer que isto não seja na área do nosso concelho”, afirmou o Edil, acrescentando que, contudo, os efeitos desta situação sentem-se na Pateira e “estão à vista. Os peixes aparecem mortos, com fortes indícios de poluição. Isto causa-nos uma tristeza e revolta enormes; sentimo-nos impotentes”, desabafou.

Após a verificação de mais uma descarga poluente, com graves impactos na fauna piscícola e ao nível dos usos da massa de água, nomeadamente com irritações na pele e olhos nos atletas federados que usam esta zona para treino de competição, é importante “que sejam tomadas medidas urgentes para identificar as fontes de emissão e punir exemplarmente os autores destas infrações”, declarou ainda Jorge Almeida, no ofício enviado.