A proposta dos deputados do PSD, eleitos pelo círculo de Aveiro, de atribuir financiamento do Fundo Ambiental à Fundação Mata do Bussaco, já no próximo ano de 2021, foi aprovada por maioria, na Comissão de Orçamento e Finanças, «com os votos contra do PS; a abstenção do PAN e do Iniciativa Liberal; e os votos a favor do PSD e dos restantes partidos e deputados com assento na Assembleia da República». Uma aprovação que Rui Marqueiro, presidente da Câmara da Mealhada, agradece, garantindo que «permitirá à Fundação responder financeiramente aos vários desafios da sua gestão».

Esta deliberação, e segundo um comunicado do Grupo Parlamentar do PSD, permitirá, entre outras coisas, «a cobertura dos resultados financeiros prejudicados pelo contexto pandémico atual e, sobretudo, suportar os montante das componentes nacionais exigidas nas candidaturas aos fundos de programas como o PDR – Programa de Desenvolvimento Rural ou o Interreg – European Regional Development Fund, o SAMA – Sistema de Apoio à Modernização Administrativa, bem como fazer face às exigências do processo de candidatura a Património Mundial da UNESCO».

Para o deputado Bruno Coimbra, natural do Luso e coordenador do Grupo Parlamentar do PSD na Comissão de Ambiente, «com a aprovação desta proposta de alteração ao Orçamento do Estado, os montantes em causa estão garantidos já em 2021 e aguardam apenas a conclusão do processo de alteração ao regime fundacional da Mata do Bussaco, que o Governo anunciou estar concluído até ao final deste ano».

Já o deputado Rui Cruz sublinhou a relevância de «um património histórico edificado fabuloso e um património natural extraordinário» existente no Bussaco, reforçando a necessidade de «o salvaguardar dos efeitos nefastos das profundas alterações climáticas que por ali já se fazem sentir e da perda abrupta das receitas provenientes das visitas por força da pandemia».

Da Câmara da Mealhada, a reação fez-se sentir na manhã de ontem, tendo o autarca Rui Marqueiro elogiado e parabenizado «os deputados que fizeram aprovar, no Parlamento, o referido financiamento a favor do Bussaco, nomeadamente o deputado social-democrata Bruno Coimbra». «Fez política pela positiva e isso é muito louvável», afirma o edil, aproveitando o comunicado para deixar um aviso claro ao Governo do seu partido, em especial ao ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes: «Espero que cumpra rapidamente a promessa feita na Comissão de Agricultura e Mar de revisão dos estatutos da Fundação Mata do Buçaco, até final de 2020, alterando a Resolução do Conselho de Ministros de 2013 que tem criado múltiplos constrangimentos à gestão diária da Mata, que vive exclusivamente de receitas próprias e do apoio da Câmara da Mealhada».

«Para o Bussaco dar o salto qualitativo que necessita é crucial que a Administração Central altere o atual modelo de gestão e assuma maior responsabilidade na concretização deste esforço de gestão. Foi isso que nos foi prometido pelo Governo e é isso que esperamos que seja cumprido até final de dezembro próximo», remata o autarca.

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Fotografia de José Moura