A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, a Autarquia da Mealhada e o Agrupamento de Escolas da Mealhada inauguraram, na manhã de ontem, uma sala intitulada «Ambiente Inovador de Aprendizagem», instalada na Escola Secundária da Mealhada, mas que servirá toda a comunidade educativa do município. Um espaço virado para o futuro, mas com os olhos postos no passado, que foi criado no âmbito de um projeto de combate ao insucesso escolar, que procura motivar todos os alunos para o conhecimento, recorrendo às mais diversas tecnologias, desde painéis tácteis abstratos a kits de robótica.

A tradicional disposição de secretárias e mesas dá lugar, nesta «sala do futuro», a cadeiras giratórias, a pufs, a estações de computador e de investigação com recurso a microscópio, a um miniestúdio de televisão, a áreas de projeção, inclusive 3d, ou a estações oficinais onde existem serras, berbequins, tornos e outras ferramentas a fazer lembrar as velhinhas salas de trabalhos manuais. A fusão da tecnologia com os tradicionais trabalhos manuais foi, de resto, o conceito escolhido para este novo espaço.

O projeto, idealizado pela direção do Agrupamento de Escolas da Mealhada, é composta por seis estações de trabalho (Apresentar, Criar, Desenvolver, Investigar, Partilhar, Interagir) às quais se junta a parte oficinal. O investimento rondou os 40 mil euros, sendo 25 mil oriundos da CIM – RC, no âmbito dos Planos Integrados e Inovadores de Combate ao Insucesso Escolar, e 15 mil euros da Câmara da Mealhada, aplicados na requalificação das salas que deram origem a este novo espaço.

«O concurso em questão visava novas tecnologias, mas a nossa opção não foi ter mais computadores», começou por dizer Fernando Trindade, diretor do Agrupamento, garantindo que a comunidade está convencida «de que a forma como se fazem aulas hoje está ultrapassada», mas que «é assim que se tem que continuar a fazer». «Esta sala, de ensino novo ou diferente, dá-nos a oportunidade de conseguirmos fazer coisas diferentes em contexto de aula e desenvolvermos outro tipo de competências», acrescentou, enfatizando que «um indivíduo para ser bem-sucedido como pessoa não chega escrever e falar bem. Tem que saber trabalhar em grupo, saber criar e saber interagir».

José Alexandrino Mendes, presidente da CIM – RC, elogiou «o trabalho feito pela Câmara da Mealhada no sector da educação e a visão estratégica que tem». «No meu tempo as transformações eram muito mais lentas do que são hoje. Hoje a escola está diferente e, por isso, a CIM de Coimbra tem apoiado este tipo de ambientes inovadores que têm cumprido os objetivos estipulados no combate ao insucesso escolar», enalteceu.

Também Jorge Brito, da CIM, acrescentou que a par do «investimento material, está a ser criado um projeto de formação para docentes, de forma a que consigam acompanhar a procura dos jovens». «O Realiza.te ultrapassou os sete milhões de euros na nossa região, mas não há dúvidas de que os objetivos foram cumpridos», concluiu.

A sala Ambiente Educativo Inovador surge no âmbito do Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar, no âmbito da CIM-Região de Coimbra Centro 2020, que incluiu também a criação de duas salas snoezelen (nas Escolas Básicas N.º2 da Mealhada e da Pampilhosa), direcionadas a alunos com necessidades educativas especiais.

 

Mónica Sofia Lopes