Nuno Canilho, presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Aveiro desde março de 2019, garante que «as associações (por todo o país) estão a passar por graves problemas financeiros, com algumas delas em risco de falência, e os tempos que se avizinham não são de esperança».

«Não há medidas razoáveis de apoio a associações de bombeiros no âmbito da situação pandémica. A única que existe é uma espécie de empréstimo sem juros, mascarada de adiantamento sem o ser. Não resolve nenhum problema, antes criará outros», lamenta o dirigente distrital, desvendando que o estado «gasta 28 milhões de euros por ano em 400 e tal corporações do país, quando deveria gastar 35 milhões, o mínimo razoável». «Aliás, o Estado tem as suas próprias corporações e sabe que cada uma significa um investimento de quatro milhões», remata.