«Grândola, Vila Morena», de Zeca Afonso, é sempre, e desde 1974, o tema mais ouvido no dia 25 de Abril. Este ano, e em época de confinamento, as versões foram de diversos tipos e de Enxofães, concelho de Cantanhede, os Amigos da Tijuca, escola que desfila no Carnaval da Mealhada, presentearam «sócios e amigos» com a letra da música ao ritmo do samba.

Uma conversa no WhatsApp, uma ideia de Lúcia Covas, um guião com o que se pretendia e mais de três dezenas de elementos da escola de samba Amigos da Tijuca foram os ingredientes necessários para que «Grândola, Vila Morena» viesse a público com ritmos do samba. «Cada um de nós fez várias gravações com telemóvel, sem utilizar nenhum programa especial», começa por explicar, ao «Bairrada Informação», Patrícia Pinto, garantindo que «não existiu qualquer placa de gravação, qualquer microfone, nada!». «Não sabíamos bem o que iria sair daqui!», confessa-nos.

Seguiu-se o envio do áudio a um dos elementos da direção e da bateria. Bruno Santos prometeu «misturar tudo num programa para ver se conseguia alguma coisa que soasse», continua. E soou! «Na quinta feira, 23 de abril, ao final do dia, tivemos de repetir uma data de gravações para conseguirmos encaixar tudo e demos um arranjo diferente à música para assim adaptá-la ao samba», disse-nos ainda a tesoureira da escola, elogiando o vídeo realizado, posteriormente, por Bruna Pereira, e que foi publicado no canal de youtube, à meia noite do passado sábado, 25 de Abril.

É, desta forma, que nasce a música «Liberdade Em Forma De Samba». «Em tempo de distância, saudade e sofrimento, a palavra liberdade tem ainda mais sentido e poder nas nossas vidas!», enfatizam os Amigos da Tijuca na descrição do vídeo, garantindo terem saudades uns dos outros «por estarem distantes fisicamente», mas orgulhosos «pela corrente que conseguiram criar». «Se com gravações de WhatsApp temos gente capaz de fazer isto de um momento para o outro, dêem-nos motivo, que nós temos coragem!», acrescentam ainda, concluindo que «o espírito de fraternidade impera na maneira de estar ativa nisto que é o associativismo».

 

Mónica Sofia Lopes