O Hospital Misericórdia da Mealhada já recebeu cinco dos dez ventiladores que vão estar disponíveis, em caso de necessidade, para utentes infetados com o Covid-19. Os primeiros equipamentos estarão aptos a funcionar no início da próxima semana, estando alguns profissionais de saúde da instituição a terem já formação. O material, recorde-se, foi financiado pelo Município da Mealhada, numa altura em que se registam dois casos confirmados de infeção por coronavírus.

«É uma mais-valia para a população, tanto para a situação que vivemos neste momento, como para o futuro», afirmou, em declarações ao Diário de Coimbra, João Peres, provedor da Santa Casa da Misericórdia da Mealhada, garantindo que os primeiros cinco equipamentos deverão estar montados no início da próxima semana para «serem colocados em camas que, atempadamente, foram reservadas para esse efeito».

João Peres explica ainda que dois dias antes de ser decretado o estado de emergência foram suspensas todas as consultas, internamentos e sessões de fisioterapia no Hospital da Mealhada, numa atitude preventiva e de se preparar a unidade de saúde para uma eventual necessidade de tratar utentes infetados com coronavírus.

Neste momento, a prioridade está a ser a da formação da enfermeiros e médicos para a utilização dos ventiladores, adiantando o provedor da Misericórdia da Mealhada que «os próximos a chegar serão ainda melhores e com mais funcionalidades, nomeadamente, para transfusões». «A chegada dos equipamentos foi célere e, desta forma, já estamos disponíveis para acolher a população», disse ainda João Peres.

Recordamos os nossos leitores que «a Câmara da Mealhada se disponibilizou para oferecer os ventiladores ao Hospital da Mealhada» com a finalidade de serem colocados ao dispor dos munícipes, nesta unidade de saúde, «caso algum morador no concelho venha a necessitar deste equipamento médico». A medida foi tornada publica, na semana passada, tendo o Município dado indicações «para serem adquiridos até dez equipamentos num investimento máximo estimado de 150 mil euros».

Na passada sexta-feira, 27 de março, ao nosso jornal, Rui Marqueiro, presidente da autarquia mealhadense, mostrou-se satisfeito com a chegada dos aparelhos. «Ficarão, brevemente, disponíveis, o que significa que o Hospital, mais uma vez, vai ser capaz de olhar pela população do concelho», afirmou o autarca, revelando que, no município da Mealhada, «há dois casos confirmados por Covid-19, ao que tudo indica considerados “leves”», estando em resultado disso, e por prevenção,  «cerca de dezena e meia de pessoas em quarentena».

Para o edil «era bom sinal que os ventiladores não fossem precisos», mas não tem dúvidas de que esta pandemia se prolongará ou poderá voltar a surgir, «uma vez que o aparecimento de uma vacina para o Covid-19 pode vir a demorar cerca de 12 a 18 meses».

 

 

Texto de Mónica Sofia Lopes

Imagem com Direitos Reservados