Dois operacionais da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Mealhada ajudaram, ao início da manhã de ontem, quinta-feira, dia 19 de março, nos procedimentos finais do nascimento da Júlia, a bebé que veio ao mundo, na sua casa, no Cardal, uma localidade limítrofe à cidade da Mealhada.

Eram cerca das 6h40 desta quinta-feira quando os Bombeiros foram acionados para um parto na Mealhada. Daniela Silva e Patrick Góis, operacionais do corpo ativo mealhadense, mal imaginavam que fariam parte de um momento tão especial a poucas horas do final de mais um turno.

«Fomos acionados para um parto na zona do Cardal, mas quando chegámos a bebé já tinha nascido», explicou, ao Diário de Coimbra, Patrick Góis, de 31 anos, bombeiro há oito. «A mãe terá entrado em trabalho de parto na casa de banho, tendo a criança nascido com a ajuda do pai. Quando chegámos, cortámos o cordão umbilical e ajudámos nos restantes procedimentos», acrescentou ainda o bombeiro.

«Depois da avaliação efetuada à bebé e à mãe, por parte da equipa da VMER (Viatura Médica de Emergência e Reanimação) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, ambas foram transportadas para a Maternidade Daniel de Matos», disse também, ao nosso jornal, Nuno João, comandante dos Bombeiros da Mealhada.

Se para Daniela Silva, de 38 anos, bombeiro há uma década, esta foi a segunda experiência de apoio a um nascimento, para Patrick Góis foi uma estreia. «Numa altura marcada por momentos difíceis, participar no nascimento de uma criança só pode significar algo positivo. Hoje foi um dia muito bom!», confessou-nos o jovem bombeiro.

Também na página oficial no Facebook da corporação pode ler-se: «Que este seja um sinal de esperança e de normalidade nestes tempos difíceis que vivemos. Aos nossos e a todos os Bombeiros que, sabendo os riscos que correm, continuam a socorrer quem mais precisa: sê bem-vinda, Júlia!».

 

Mónica Sofia Lopes