O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro é um dos dezoito serviços desconcentrados da Autoridade Nacional de Proteção Civil presentes em cada distrito. As suas competências essenciais são as previstas no Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro. O Distrito de Aveiro, com dezanove municípios, vinte e cinco corporações de bombeiros, aproximadamente 2000 homens, é um espaço onde coexistem múltiplos riscos, tanto naturais (destaque para os incêndios florestais e cheias), como tecnológicos (industrias). Para o desempenho da sua missão, este CDOS conta com um Comandante Distrital, António Ribeiro, e uma 2.º Comandante, Paula Ramos, que receberam uma delegação de candidatos do PSD pelo círculo eleitoral de Aveiro às eleições legislativas de 6 de outubro, para uma reunião onde foi possível fazer uma breve explanação do trabalho diário destes homens que tratam da proteção civil do distrito.

A acompanhar os candidatos social-democratas esteve o presidente da Câmara Municipal de Vagos, Silvério Regalado, que preside a Comissão Distrital da Proteção Civil (CDPC), que recordou haver várias alterações legislativas que estão para entrar em vigor, a partir de 1 de outubro, “e que devem ser feitas no terreno”. O edil de Vagos alerta para o facto de que nas matérias de Proteção Civil “é fundamental que haja coordenação, e que não impliquem qualquer dificuldade na proteção de socorro a quem de facto precisa”, alertando para a importância da coordenação entre a parte política e a operacional, “para que a prestação de socorro seja feita na hora às populações”.

O presidente da CDPC fala ainda noutras matérias que requerem a atenção, no ponto de vista político, nomeadamente o facto de haver ainda algumas regiões no país que não foram contempladas com avisos de abertura de concursos para a instalação de videovigilância. “Atualmente temos algumas regiões no país que têm a videovigilância apoiada por fundos comunitários, mas temos outras regiões que não têm essa ferramenta”, como é o caso do distrito de Aveiro.

E este é um tipo de apoio que garante ser fundamental, como forma de facilitar o combate aos incêndios florestais.

A nível mais localizado, na região de Aveiro, Silvério Regalado recorda que está a decorrer um concurso para sistemas de apoio à decisão, para o combate aos riscos tecnológicos. Nesse sentido, considera ser indispensável “dotar os bombeiros, quer na estrutura distrital, quer depois nas estruturas locais, de mecanismos de apoio à decisão, que são muito importantes, para que depois o combate destes riscos e destas situações de emergência, com que nos temos de habituar a lidar, por força das alterações climáticas e tudo o que está associado a elas, aconteça com a máxima brevidade”, concluiu.

 

Fonte: PSD Aveiro