Sendo a acupunctura uma técnica terapêutica que actua sobre o sistema nervoso central, ela interfere largamente na função do hipotálamo – glândula que se liga ao sistema límbico controlando várias funções vegetativas, endócrinas, comportamentais e emocionais do corpo.

Desta forma se explica a grande abrangência terapêutica da acupunctura, pois a sua actuação sobre o hipotálamo determina a sua influência no organismo, nomeadamente na temperatura corporal, apetite, actividade gastro-intestinal, função cardíaca, regulação hídrica, actividade sexual e emoções.

Assim, de forma directa ou indirecta, a actuação da acupunctura sobre o hipotálamo vai promover efeitos como:

  • Regulação da tensão arterial e ritmo cardíaco.
  • Melhoria da diurese (eliminação de urina pelos rins) com consequente redução da retenção de líquidos.
  • Estímulo da contracção uterina e produção de leite, devido ao estímulo da oxitocina.
  • Controlo de sensações como a fome e sede.
  • Melhoria dos estados emotivos pela estimulação dos centros de recompensa e punição.

Este mecanismo de acção neurofisiológica da acupunctura é uma das formas científicas de entender a Medicina Chinesa. No entanto, o seu entendimento vai além da neurofisiologia como o ocidente aborda, sendo feito o paralelismo com os trajectos energéticos e compreendendo desta forma os mecanismos de acção por um outro prisma, extremamente interessante para quem o estuda.

 

Paula Gradim

Especialista de Medicina Chinesa

Cédula Profissional: C-006403