O executivo municipal de Anadia aprovou, por unanimidade, a aceitação da doação de um edifício centenário, situado em Aguim, e conhecido como a “Casa dos Castilhos” para a autarquia. A proposta de doação foi feita por Maria Glória Castilho Freitas Soares.

“Enquanto responsáveis públicos devemos ter um olhar atento por este património”, disse Teresa Cardoso, referindo-se a uma antiga casa de família construída pelo Conde São Joaquim, homem abastado e de origem brasileira.

A preservação da estrutura do edifício e respetiva cobertura serão o primeiro passo a dar. “A intervenção no imediato vai garantir a estabilidade da estrutura”, explicou a autarca sobre o edifício centenário, “inscrito na matriz predial urbana da União das Freguesias de Tamengos, Aguim e Óis do Bairro, sob o artigo número quinhentos e setenta e nove”.

Litério Marques, vereador da oposição, referiu aprovar a proposta de aceitação da doação, mas “com recomendações”, deixando no ar que a Câmara não tenha “ponderado o custo da recuperação”. “É um património interessante e com história, que deve ser utilizado pela freguesia de Aguim, mas por todas as outras também”, acrescentou.

Teresa Cardoso enfatizou que “ali será gasto muito dinheiro”, tendo que ser avaliadas “as ajudas que se possam vir a ter”, descartando o apoio dos fundos comunitários, uma vez que, lamenta, “são cada vez mais escassos”.

Sobre o uso a dar ao edifício, a edil destacou que o seu interior “tem muitos espaços e pisos” e que a avaliação de utilização será outro dos passos a dar.

Na mesma sessão foi também aprovado, por unanimidade, uma proposta de revogação de abertura de concurso público para a empreitada de um Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia, com um valor base de cerca de 246.440 mil euros (acrescido de IVA).

Recordamos os nossos leitores, que em maio passado o Município já tinha aberto um concurso que, sabe-se agora, obteve dois concorrentes “com preços anormalmente baixos”, tendo o caderno de encargos, nessa primeira proposta, um valor base a rondar os 182.500 euros. “Ficando sem concorrentes, podíamos fazer ajuste direto, contudo, entendemos ajustar o preço base a uma nova realidade”, referiu Teresa Cardoso, na reunião camarária, que se realizou na manhã da passada quarta-feira, dia 17 de julho.

 

Mónica Sofia Lopes