Esta quinta-feira, 9 de maio, a Filarmónica Pampilhosense assinala os seus noventa e nove anos de existência. A caminho do centenário, que se festeja em 2020, o programa deste ano será mais “caseiro”, mas não deixará de ter um dia inteiro de festa, comemoração que se realiza no próximo dia 12.

A Filarmónica Pampilhosense estará em festa no próximo domingo. O programa começa pelas 10 horas com uma missa na Igreja Paroquial em memória de maestros, diretores, músicos e associados já falecidos. Uma hora mais tarde decorrerá um desfile de saudação por algumas ruas da vila da Pampilhosa.

O almoço convívio está agendado para as 12h 30m e as inscrições estão abertas, devendo ser feitas através do correio eletrónico filarpamp@gmail.com e/ou dos números  231 024 701 / 966 028 500.

Da parte da tarde, pelas 16 horas, realizar-se-á um concerto na sede da Filarmónica Pampilhosense, com a banda anfitriã; o coro misto “Enchoir” que nasceu há seis meses com elementos da Banda da Filarmónica, da Escola de Música e de convidados; e a orquestra ligeira “QJazz”, que com um ano de existência tem como director artístico Fernando Rocha, natural do Luso, mas elemento da Banda da Filarmónica Pampilhosense.

Depois do dia de aniversário, começará a ser preparada a participação na FESTAME – Feira do Município da Mealhada, onde a 11 de junho as Filarmónicas da Pampilhosa e de Barcouço se juntarão para, no palco principal do certame, apresentarem um repertório de oito peças, onde serão ouvidas músicas internacionais de Queen e Coldplay, mas também música portuguesa com um “medley” de músicos já falecidos como Tony de Matos e Carlos Paião. José Cid e Xutos & Pontapés farão parte dos temas apresentados no concerto. Em palco estarão cerca de cem músicos.

“Numa altura em que as duas Filarmónicas assinalam cem anos de existência (Barcouço já em 2019 e Pampilhosa em 2020) não tenho dúvidas de que será um momento importante para ambas”, declarou, ao «Bairrada Informação», Daniel Vieira, presidente da direção da Filarmónica Pampilhosense, mas também Maestro da Banda, acrescentando que este tipo de iniciativas “motiva os músicos e os Maestros”, como aconteceu no acompanhamento que fizeram do concerto de Fernando Tordo, em abril de 2018 no Cineteatro Messias. “É uma experiência diferente e muito motivadora”, realçou.

O presidente da direção, que está no seu terceiro mandato, falou também, ao nosso jornal, da importância da Escola de Música da Filarmónica Pampilhosense. “Temos atualmente quarenta e um músicos na Banda, depois de algumas saídas recentes, ora por motivos de saúde dos mais velhos, ora por motivos profissionais e académicos dos mais novos, sendo a escola um elemento fundamental para integração na Banda de novos músicos”, explicou Daniel Vieira, garantindo que frequentam a escola cerca de três dezenas de alunos.

“Queremos colmatar as falhas devido às pessoas que saíram. Formar um músico não é fácil, mas o nosso foco é este, evitando assim que a Banda seja formada por músicos de fora”, rematou o dirigente.

 

Mónica Sofia Lopes