Chama-se Fundo Branquinho de Carvalho e integra numa só espaço cerca de duas centenas de imagens de diversos material referente ao concelho da Mealhada. Está disponível, desde ontem, dia 27 de fevereiro, no site do Arquivo Municipal da Mealhada.

Fotografias a cor e preto e branco, gravuras e fotocópias de documentos que foram coleccionados por Branquinho de Carvalho, natural da Antes e um apaixonado pela fotografia, principalmente toda aquela que faz “um antes e um depois” de determinado local.

Em 2008, por ocasião da entrega de prémios do concurso de fotografia do Jornal da Mealhada, Branquinho de Carvalho, cuja vida foi dedicada à Medicina, disponibilizou, para digitalização e tratamento, à Câmara Municipal, todo o seu espólio, referente ao concelho mealhadense.

Sala cheia na apresentação do Fundo Branquinho de Carvalho

Esta quarta-feira, na palestra “Mealhada: 350 anos de imagens”, que assinalou os trexentos e cinquenta anos da primeira gravura conhecida da cidade, Dora Matos, responsável pela Divisão do Turismo e da Cultura do Município da Mealhada apresentou o Fundo, disponível na plataforma digital do Arquivo (em http://arquivo.cm-mealhada.pt), onde estão as duzentas figuras disponíveis pelo detentor do maior espólio privado de imagens da Mealhada. E todas munidas de uma memória descritiva.

“Dentro deste espírito de divulgação cultural há uma necessidade de colocar as fotografias em novas plataformas”, começou por dizer Nuno Canilho, vereador na Câmara da Mealhada e responsável pelo pelouro da Cultura, garantindo ser esta uma ferramenta útil para “escolas, professores e alunos”.

A reprodução deverá ser solicitada por escrito, através de requerimento cedido no Arquivo Municipal. “O seu deferimento encontra-se sujeito a algumas restrições tendo em conta o estado de conservação ou o fim a que se destina a reprodução”, lê-se na plataforma digital referente ao recém apresentado Fundo, que tem a opção de ser procurado por termos, facilitando, desta forma, a pesquisa.

Mas o Arquivo está ainda munido de treze mil digitalizações, entre atas camarárias, jornais e imagens cedidas pela população que, em breve, terão o mesmo destino digital. Haverá ainda outros Fundos, nomeadamente, da Foto Gaspar, Foto Varela Pécurto, livros de Adelino de Melo, Jornal do Centro e Sol da Bairrada, este último cedido por António Carlos Andrade, um espólio de jornais que o seu pai recebia quando estava em Angola.

Nuno Canilho pediu ainda para que os munícipes visitem o Arquivo e descodifiquem milhares de imagens que não conseguem legendar. “Precisamos do contributo e de legendas para muitas das imagens que adquirimos e outras que nos foram cedidas”, apelou o vereador.

Dora Matos evocou também para os munícipes cederem ao Arquivo, para digitalização, as suas fotografias e documentos importantes sobre o concelho.

 

Mónica Sofia Lopes